PAN apresenta uma série de propostas e sugestões para a Ribeira Brava

O PAN Madeira emitiu um longo comunicado no qual dá conta de prosseguir o seu “Roteiro de Verão agora pelo concelho da Ribeira Brava”, e aponta problemas do concelho. A população da freguesia do Campanário, maioritariamente rural, queixa-se da falta de parque infantil, algo que vem a ser reivindicado pela população há muito tempo.

“Tendo em conta a baixa natalidade no Concelho da Ribeira Brava, o PAN Ribeira Brava considera que é imperiosa criar incentivos e estruturas para fixar e atrair população. Apostaríamos sem dúvida na criação de espaços de lazer – parque infantil – espaço de actividade física – parque de convívio intergeracional – de modo a proporcionar às famílias qualidade de vida assente em bons momentos de convívio”, propõe o partido.

Outro problema levantado pela população “é a falta de ecopontos na freguesia, algo que, ouvindo munícipes em diferentes freguesias, constatámos tratar-se de uma lacuna transversal ao concelho”.

“Ouvimos da população vontade em separar o lixo, contudo não existindo ecopontos disponíveis para as colocações desse lixo o PAN Ribeira Brava lança o apelo à Câmara Municipal que invista na criação de ecopontos, tratando-se de uma questão ambiental urgente e da vontade das populações deste concelho”, refere-se no comunicado distribuído às Redacções.

No Lugar da Serra, a população queixou-se maioritariamente dos problemas de alcoolismo e drogas que afligem as famílias locais.

Neste sítio existe um Centro Comunitário gerido pelo Instituto de Segurança Social da Madeira. Apesar do “fantástico trabalho desenvolvido pelas técnicas que lá trabalham”, o PAN acha que deveria haver psicólogos que prestassem mais apoio a estas famílias, levando, assim, um apoio direto a esta população que, de outra forma, vê apenas no centro de saúde da Ribeira Brava como alternativa, a uma enorme distância, num concelho que tem como problema o serviço de transportes públicos.

Na baixa do concelho, as maiores preocupações comunicadas têm a ver com o desvio de pessoas do centro da vila, que afectam os negócios ali instalados. Falta também rigor na atribuição de apoios sociais, afirma o PAN.

Entretanto, Tabua e Serra d´Água são duas freguesias que perderam bastante população, agravando o risco de envelhecimento demográfico e abandono rural

P PAN Ribeira brava considera crucial que o município se chegue à frente na prestação de serviços públicos essenciais – como levar o saneamento básico às zonas altas da freguesia e proceder à limpeza das veredas e proceder à recolha do lixo mais frequentemente.

Apesar de algum apoio social existente na freguesia da Tabua, esta tem-se desenvolvido essencialmente por privados, os mesmos são manifestamente insuficientes para cobrir as necessidades da população, principalmente ao nível da saúde, afirma o “Pessoas, Animais, Natureza”.

“A Serra de Água, por sua vez, e após ter sido fortemente fustigada pelo temporal de 20 de fevereiro, não obstante alguma recuperação na área habitacional, o investimento municipal tem sido quase inexistente, deixando a população residente à sua mercê, principalmente no apoio à recuperação dos campos agrícola e respetivos acessos. Sendo este um anseio das populações principalmente nos sítios do Boqueirão e da Rocha Alta”, refere o PAN.

Por outro lado, também a construção dum corredor verde ao longo da ribeira e a recuperação dos miradouros da freguesia são anseios da população da Serra de Água.

De forma geral o concelho da Ribeira Brava, é um concelho empobrecido e envelhecido, com sucessivas falhas na recuperação e revitalização do seu território, onde na área ambiental é notória a falta de um planeamento de conservação eficaz (…), entende o PAN.

Há um problema com existência de tão grande eucaliptal nas serras do concelho. O PAN defende a sua mudança por espécies autóctones, para prevenir incêndios.

O fraco planeamento dos jardins municipais é outro problema. Os últimos dragoeiros em estado selvagem que deveriam ser protegidos, promovidos que são a emblema do município, estão esquecidos, ou até mesmo têm sido abatidos, acusa-se.

O PAN diz que os governantes da Ribeira Brava estão demasiado focados na vila e criaram um concelho díspar e desconecto.

O PAN acredita que a Ribeira Brava pode inverter a tendência actual de envelhecimento/ diminuição da população, “se tivermos a capacidade de juntar às belas paisagens e ao sol abundante do concelho uma estratégia de desenvolvimento assente no desenvolvimento sustentável e na melhoria da qualidade vida das populações do concelho”.