Berta Helena vence Prémio Literário Edmundo Bettencourt

Fotos André Ferreira/CMF

O Prémio Literário Edmundo Bettencourt, no valor de 3 mil euros, foi atribuído, por unanimidade, a Berta Helena Gomes Camacho de Almeida pela obra “O Refúgio de Gibraltar”. A vencedora foi jornalista da RDP/Madeira durante mais de 39 anos, tendo sido já premiada noutros concursos literários.

O júri decidiu também por maioria atribuir a menção honrosa à obra de poesia “Ilha” que foi escrita por Eduardo Quina, que pela segunda vez recebe esta menção. Eduardo Quina é docente de Filosofia.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Pedro Calado, felicitou os distinguidos e o trabalho “ qualitativo” do júri, tendo anunciado que a autarquia tudo vai fazer para que as obras distinguidas sejam editadas e lançadas na Feira do Livro- edição 2023.

Pedro Calado refere que o concurso constitui uma oportunidade para valorizar a literatura enquanto arte, mas também a atividade de desenvolvimento cultural e cívico, tendo sublinhado que é intenção da autarquia fazer com que mais jovens participem nestes prémios, uma vez que, reconhece o autarca, “há muitos jovens a escrever sob o anonimato e que têm muita qualidade para a escrita.”  “A nossa aposta  é incentivar novos valores neste concurso”,  vincou.

Com a atribuição dos prémios literários, o Município do Funchal homenageia Edmundo Bettencourt, como uma personalidade do panorama cultural e promove e incentiva a criação literária.

O concurso para este prémio esteve aberto entre 2 de janeiro e 30 de março deste ano, sendo o júri composto por Luísa Paolinelli, Nelson Veríssimo, Helena Rebelo, Leonor Coelho e Sandra Nóbrega, responsáveis pela avaliação das 13 obras a concurso.