PS-M acusa Câmara de São Jorge de gestão irresponsável das verbas

A vogal do PS na Assembleia de Freguesia de São Jorge veio acusar o executivo de má gestão das verbas públicas, facto que esteve na origem do voto contra na votação da conta de gerência daquela autarquia local.

Desmistificando as “narrativas ilusórias criadas pela presidente da Junta de Freguesia, Dorisa Aguiar esclarece que a decisão foi motivada pelos excessivos gastos públicos do actual executivo, que “tem vindo a apresentar uma gestão incontrolável e irresponsável dos fundos da respectiva Junta”.

A socialista critica o facto de metade do orçamento daquele órgão de poder local ter sido “esbanjado” em fogo de artifício no dia 31 de Dezembro, quando parte dessa verba podia ter sido usada para dar resposta a outras necessidades da população da freguesia.

A representante do PS acusa igualmente o actual executivo de usar dinheiro público para pagar o consumo de combustível dos carros dos funcionários da respectiva autarquia, algo que considera não ser correcto nem legal. Além disso, a presidente deste órgão foi questionada acerca de outros gastos, dos quais disse não ter conhecimento.

Este facto deixa alarmada a oposição, que não entende como é que a presidente da Junta diz não ter conhecimento de aquisições, quando a sua própria assinatura consta dos documentos oficiais.

Recordando uma série de situações que denotam a falta de rigor e ponderação na gestão das contas públicas, a vogal do PS assinala o facto de também o CDS-PP e, inclusivamente, um membro do PSD terem votado contra esta conta de gerência.

“Quando um membro do próprio executivo vota contra a gestão de fundos, dá que pensar que algo ali não está correcto nem é legal e está a prejudicar a população e os interesses da própria freguesia”, sustenta Dorisa Aguiar.

A representante do PS faz ainda questão de rebater as acusações da presidente da Junta, que afirmou que a oposição votou contra a conta de gerência por questões partidárias. Dorisa Aguiar rejeita esta acusação, afirmando que é a própria presidente que, sabendo que há no concelho uma deputada de outra cor política, neste caso do PS, nunca a convida para qualquer evento realizado nesta autarquia.