PPM alerta para os parcos salários auferidos pelas bordadeiras

A coordenação do PPM Madeira expressou preocupação com a profissão dos bordados na RAM.  Em discussão com as poucas profissionais que ainda se mantêm no activo, as mesmas transmitiram considerações de que esta actividade é pouco valorizada na actualidade.
O PPM Madeira sabe que esta profissão ancestral, tradicional da nossa ilha, tem uma enorme concorrência, principalmente dos Países do Oriente, “que tentam imitar de forma barata e com máquinas aquilo que as nossas bordadeiras fazem de forma manual”.
As principais queixas prendem-se principalmente com a valorização do trabalho manual pago às bordadeiras, que estão sujeitas a doenças profissionais tais como lesões a nível cervical, devido a passarem várias horas na mesma posição, e a nível de visão, já que têm de estar atentas durante horas a fio a bordar ao mais ínfimo pormenor.
Estas profissionais queixam-se principalmente dos valores pagos pelas grandes superfícies de vendas, que é cerca de 20€ semanais, perfazendo um valor de 80€ mensais, sendo que estes são os valores actuais, com as “desculpas das empresas fornecerem às bordadeiras o pano e as linhas.
O PPM Madeira ficou ainda a saber que muito do trabalho distribuído a estas profissionais é feito através de uma espécie de “agentes” que ganham uma comissão pelos trabalhos destas profissionais sem um contrato de trabalho efectivo, o que prejudica de forma séria o trabalho e ganhos das profissionais do bordado Madeira.
O PPM Madeira propõe ao Instituto do Vinho e do Bordado da Madeira a criação de uma cooperativa para melhorar as condições de profissionalismo das bordadeiras da Madeira, para que estas não estejam sujeitas ao aproveitamento de quem paga um salário mensal de 80€ e nas lojas quadruplica o valor final do produto com o selo da qualidade do bordado da Madeira.
“Jamais poderemos aceitar que haja uma especulação de preços do bordado Madeira entre valores pagos às profissionais e valores de venda ao público”, dizem os monárquicos madeirenses.