Conselho de Concertação Social da Madeira tem trabalhado com grupo europeu

O Conselho Económico e da Concertação Social da Madeira emitiu um comunicado no qual refere que tem integrado um grupo de trabalho do Comité Económico e Social Europeu, numa auscultação dos organismos representativos da sociedade civil das regiões ultraperiféricas, através dos Conselhos Económicos e Sociais. O objectivo é produzir um documento comum a todas as Regiões Ultraperiféricas (RUP) da União Europeia.

O dito trabalho tem vindo a ser desenvolvido nos últimos dois meses. Foram efectuadas várias reuniões com os Conselhos Económicos destas regiões e com as instâncias europeias.

Ontem, dia 14, decorreu uma reunião magna que contou com a participação de representantes das instâncias europeias, o Governo francês, os Conselhos Económicos e Sociais das RUP e outras entidades.

Nessa reunião, o presidente do Conselho Económico e da Concertação Social da Região Autónoma da Madeira (CECS-RAM) aquando da sua intervenção na referida reunião, agradeceu ao Governo francês pela iniciativa, revelando, também por interesse próprio, estar interessado em aproximar estas regiões do centro da decisão europeia.

Esta auscultação, refere-se, tem maior importância não só pelas condições específicas e estruturais a que estas regiões estão sujeitas, mas também pelos constrangimentos que a economia mundial atravessa, dificultando a recuperação económica e aumentando a desigualdade social.

Na sua intervenção, Ivo Correia alertou para a importância de promover respostas aos desafios da dupla transição energética e digital, como também da importância de estimular o conhecimento, a qualificação e a inovação nos mais diversos sectores.

Ivo Correia destacou, à semelhança de outros presidentes dos Conselhos Económicos e Sociais e entre outros problemas estruturais, a mobilidade de pessoas e bens, aérea e marítima desta região.

Aproveitou o momento para sensibilizar os presentes da importância da Zona Franca da Madeira e do Centro Internacional de Negócios, como mecanismo essencial de promoção da diversificação da economia regional, associada a uma valorização do emprego qualificado.

Esta auscultação foi promovida pelo Governo francês, que presidirá o Conselho Europeu no primeiro semestre de 2022, no âmbito das presidências rotativas da UE, e que pretende iniciar uma discussão acerca da importância das regiões ultraperiféricas para a União Europeia. Neste sentido, solicitou uma opinião exploratória ao Comité Económico e Social Europeu (CESE) sobre os benefícios das regiões ultraperiféricas para a União – “The benefits of the outermost regions for the Union”.

Esta reunião final foi o culminar de um processo de recolha de contributos, visões e anseios das várias das organizações da sociedade civil, onde se enquadram os vários contributos dos membros deste Conselho Economico e da Concertação Social da RAM.

O CECS-RAM enviou também um documento geral das preocupações futuras das Madeira, onde contou com inúmeros contributos dos Conselheiros que compõem o CECS-RAM, que veio enriquecer grandemente este trabalho. Contributos do trabalho desenvolvido durante a pandemia, mas também, preocupações estratégicas para o futuro da Madeira e da vida dos madeirenses, salienta o secretário-geral, Vítor Barreto.