Madeira outra vez prejudicada com saída da “lista verde” da Grã-Bretanha

A caricata exclusão de Portugal, incluindo as regiões autónomas, da “lista verde” de países dos quais, no regresso, a Grã-Bretanha não exige quarentena, está a causar uma indignação nacional que se estende aos arquipélagos, como se sabe, dependentes do turismo e que estavam a começar a contemplar uma eventual retoma, depois de um longo período de “abstinência” turística decorrente da pandemia do novo coronavírus.

A decisão anunciada esta quinta-feira é obviamente caricata, uma vez que Portugal acabou de ser palco de uma grande competição futebolística que fez deslocar para o nosso país milhares de adeptos britânicos, que, como é sabido, armaram grande confusão no Porto, com cenas de pancadaria e sem qualquer distanciamento social ou uso de máscara.

Portugal aparenta ter sido “usado” sem quaisquer contemplações, e depois “deitado fora”, com a recente declaração do ministro dos transportes britânico, Grant Shapps, que o recolocou na lista “laranja”, justificando com o aumento dos casos de Covid-19 em Portugal.

Agora quem cá vier, oriundo de terras de “Sua Majestade”, passa a ter de fazer quarentena no regresso, e realizar dois testes, o que obviamente desencorajará muitos potenciais viajantes.

A identificação na Europa e no nosso país de casos da variante indiana terá contribuído também para a decisão do governo britânico.

Entretanto, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) já veio considerar que esta decisão é um desastre para o turismo no nosso país. Num comunicado, a CTP disse que a retoma que se estava a verificar será interrompida de forma abrupta, o que terá grande impacto na economia e no investimento turístico, referiu Francisco Calheiros.

Por cá também já surgiram lamentações de governantes, a afirmar e a reafirmar, como sempre, que a realidade madeirense é diferente da do continente e a sublinhar o quão injusto e inoportuno é este “volte-face”. Entre os hoteleiros e as actividades turísticas locais, é óbvio, a situação é de desalento.