CDU felicita trabalhadores da CMF pelo suplemento remuneratório de penosidade e insalubridade

A CDU levou hoje a cabo uma acção de contacto com os trabalhadores da CMF, saudando a conquista de um direito aguardado há mais de 20 anos.

Herlanda Amado, deputada municipal da CDU, congratulou todos os trabalhadores da edilidade funchalense, reforçando a ideia de que “só foi possível alcançar esta legitima reivindicação, do pagamento do suplemento remuneratório de penosidade e insalubridade, porque os trabalhadores nunca desistiram de lutar. Foi fundamental a intervenção das estruturas sindicais representativas dos trabalhadores, bem como da intervenção persistente dos eleitos da CDU, para que esta reivindicação fosse uma realidade para as centenas de trabalhadores da autarquia”.

“20 anos para regulamentar uma lei! 20 anos para garantir que estes trabalhadores vissem o risco do seu trabalho compensado no final de cada mês, e é necessário que a memória não seja curta e aqueles que agora tentam vangloriar-se com esta conquista, convém lembrar-lhes, PS, PSD e CDS, de que tudo teria sido mais rápido, se não bloqueassem a regulamentação do Decreto-Lei 53-A aprovado em 1998”, apontou Herlanda Amado.

“Foram muitas as lutas desenvolvidas pelos trabalhadores ao longo dos anos e muitas iniciativas apresentadas pela CDU em vários planos de intervenção institucional, que levaram a que ficasse consagrado no Orçamento de Estado para este ano, o suplemento remuneratório de penosidade e insalubridade aos trabalhadores das autarquias. A apresentação e aprovação na Assembleia Municipal do Funchal em dezembro do ano passado, de uma Proposta de Resolução da CDU onde a atribuição deste suplemento remuneratório aos trabalhadores da autarquia funchalense, deveria iniciar-se já a partir de 01 de Janeiro de 2021, chegou finalmente passados 5 meses”, salienta esta força política.

A qual acrescenta, de resto, que, sendo esta uma conquista importante, ainda não é o que ficou aprovado na Resolução de Dezembro, mas promete continuar a luta até que todos recebam “o justo valor pelo risco do desempenho das suas funções e com os retroactivos a Janeiro deste ano.”

No final da iniciativa a dirigente da CDU lembrou que “sendo esta a primeira Câmara da Região a assegurar este suplemento remuneratório, tal só foi possível porque temos eleitos da CDU na Assembleia Municipal do Funchal que nunca abandonaram os trabalhadores (…)”