Deputados do PSD foram “solidarizar-se” com o artista Rigo 23

O Grupo Parlamentar do PSD foi viisitar hoje o trabalho que o artista plástico madeirense Rigo 23 está a realizar no topo do Ilhéu de Câmara de Lobos, e que lhe foi encomendado pelo Governo Regional, no âmbito das comemorações dos 600 anos.

Trata-se de uma peça que, segundo o deputado Adolfo Brazão, “tem uma enorme relevância e revela a qualidade artística de Rigo, que apesar do reconhecimento que tem internacionalmente – sendo possivelmente entre os artistas madeirenses contemporâneos o que terá maior projeção internacional -, tem demonstrado um grande apego pela sua terra natal e tem também muito trabalhado realizado na Madeira”.

“Toda gente conhece os azulejos do aeroporto, a boneca de massa ou aqui mesmo em Câmara de Lobos o painel do Bombeiro e viemos aqui prestar-lhe esse agradecimento”, sublinhou o parlamentar.

Adolfo Brazão aproveitou a ocasião para manifestar a indignação do Grupo Parlamentar relativamente ao “episódio triste” ocorrido nesta semana, com o afastamento de Rigo 23, enquanto Comissário da candidatura do Funchal a Capital Europeia da Cultura.

“Perdeu-se a oportunidade de ter um grande embaixador, um grande comissário só porque ele quis emprestar o seu saber, a sua experiência, a sua arte, o seu génio, dando ideias para a realização desse evento”, sublinhou o deputado.

A CMF, pelo contrário, pretendia apenas “uma peça decorativa, um nome, que diria que sim a tudo e que não traria nada de novo ao que estava pré-estabelecido”.

Adolfo Brazão sublinhou que “não é assim que se trata alguém que poderia trazer algo de novo e ser uma mais-valia a essa candidatura”, sendo “uma desconsideração inadmissível”.

O deputado salientou que este é, de resto, o procedimento normal do PS. “Quem quer estar no PS faz como já está pré-estabelecido ou então é deitado fora”, acusou. Rigo 23, disse, é a mais recente vítima desse modo de pensar do PS. Por isso o PSD quis mostrar-lhe “solidariedade”.