PCP alerta para “injustiça social” com os trabalhadores da Groundforce

O PCP afirmou hoje ter conhecimento de que nos aeroportos da Madeira e do Porto Santo os trabalhadores da empresa Groundforce estão a ser vítimas de uma situação de grave injustiça social e de violação dos seus direitos laborais fundamentais.

“De acordo com as informações recolhidas junto dos trabalhadores da Groundforce, confirmam-se as situações de salários em atraso. Esta grave situação junta-se ao problema que afecta o conjunto da empresa que atinge muitos trabalhadores que trabalham nos aeroportos na Região Autónoma. Em todo este processo estão em causa os direitos ao salário e a justa luta pelo direito ao posto de trabalho”, dizem os comunistas.

“Nos aeroportos da Região Autónoma da Madeira o Governo Regional tem obrigações acrescidas para com estes trabalhadores, quer na defesa dos postos de trabalho, quer na tomada de medidas para a protecção dos direitos fundamentais dos trabalhadores. O Governo Regional está obrigado a uma intervenção imediata para garantir a salvaguarda da legalidade e cumprimento do direito dos 206 trabalhadores. Mas, também está obrigado o Governo Regional a uma responsabilidade adicional em relação a trabalhadores que operam em infraestruturas estruturais para a Região e num serviço estratégico para esta região insular”, refere o partido.

O PCP vai requerer, com carácter de urgência, a realização de uma Audição Pública Parlamentar para a qual o Governo Regional deverá ser convocado, com o objectivo de dar informações sobre as medidas concretas a desencadear pela Região em defesa dos direitos dos trabalhadores da Groundforce.