Idalina Silva desafiou Miguel Gouveia a descer o Caminho do Monte

A deputada municipal e também presidente da Junta de Freguesia do Monte, Idalina Silva, questionou, ontem, na Assembleia Municipal do Funchal, se o Orçamento para 2021 era realmente “o Orçamento de que a população mais precisava” e levantou algumas questões práticas que influenciam, para o bem e para o mal, o quotidiano dos munícipes.

“Haverá mais e melhor recolha de lixo? Haverá mais e melhores espaços verdes, espaços mais cuidados? Haverá uma limpeza mais cuidada dos nossos arruamentos, por onde circulam tanto residentes como visitantes, nas suas viaturas ou de autocarro? Haverá mais e melhores pavimentos? Os serviços camarários serão dotados de mais e de melhores meios?” perguntou Idalina Silva, fazendo questão de congratular-se com o facto de todas as suas questões ficarem sempre por responder mas suscitarem a acção do Executivo. “Ao menos por denúncia ou pressão algo é feito”, argumentou.

Pressão que Idalina Silva acabou por fazer quanto ao Caminho do Monte e a uma intervenção que considera ser “feita à pressa, sem respeito por quem o utiliza, sem respeito por quem é autarca e tem o dever de exigir”.

A este propósito e dirigindo-se ao presidente do Executivo, a deputada municipal lançou o desafio para que este faça uma descida de carro de cesto e verifique, com os seus próprios olhos, que esta intervenção “não abona a favor da Câmara e não acautela a segurança dos carreiros nem dos nossos visitantes”.

Na oportunidade ainda deu exemplo de outros problemas que afectam a sua freguesia – como a falta de estacionamento – e afirmou que, ao contrário do que tem dito o Executivo, o Coreto do Largo da Fonte não está completamente restaurado.