CMF instala sensores no centro e para tal veda lugares de estacionamento

*Com Rui Marote

Hoje, o centro do Funchal amanheceu cercado de fitas do Município, impedindo o acesso aos lugares de estacionamento com parquímetros, na Rua do Aljube e no Largo do Chafariz. O objectivo, conforme o FN apurou, foi permitir aos técnicos a colocação de sensores no chão, nos lugares reservados ao estacionamento de viaturas.

Aparentemente, os ditos sensores ficarão ligados a uma central que emitirá informação em tempo real, acessível através da Internet ou de uma aplicação para telemóvel, dando a conhecer aos automobilistas quais os lugares de estacionamento pago no Funchal que estão vagos, e onde precisamente se encontram. Algo útil, embora, claro, enquanto o automobilista chega, o lugar que ambiciona possa ser ocupado por alguém que passe. 

Neste momento, a operação de colocação de sensores já está a decorrer à volta do Mercado. Um arruamento ao lado dos Paços do Concelho já tem os ditos sensores instalados.

A operação complicou hoje sobremaneira o “trabalho” de um arrumador de carros que costuma tentar obter umas moedinhas na zona central.

Sendo positiva a iniciativa e enquadrando-se, inclusive, na estratégia das “Smart Cities” tão propalada pela CMF, o que não se compreende é, propriamente, a altura escolhida para a instalação dos sensores. Numa quadra complicada pela Covid-19, o comércio tradicional, que luta por vendas, não vê com bons olhos que se impeça agora que os carros estacionem. E os comerciantes questionam-se o porquê desta “pressa tecnológica”…