Exposição “Habitar estórias”: Nelson Henriques expõe na Galeria de Arte Francisco Franco

A exposição “Habitar estórias” de Nelson Henriques, abriu hoje ao público na Galeria de Arte Francisco Franco. Esta é, de acordo com Pedro Berenguer, coordenador da galeria, uma mostra que inclui uma série de ilustrações (de técnicas variadas que vão desde pintura a aguarela ou acrílico ao bordado, passando pela linogravura) de 10 dos livros que já foram ilustrados por Nelson Henriques, assim como alguns dos estudos que as antecederam, bem como algumas peças de artesanato de autor.

Nelson Henriques foi aluno da Escola Secundária de Francisco Franco entre 1997 e 2000. Exerce actualmente a profissão de designer gráfico.

Sobre esta exposição, escreve Graça Alves que a ilustração do Nelson Henriques “guia-nos pelos caminhos da inocência. Cada traço inaugura o ponto exato onde nasce uma fonte de memórias. Cruza-se, aí, a história do
autor que lhe emprestou as palavras e a sua própria história, um repositório de vivências e de olhares sobre as coisas e o mundo”.

Para esta autora, “o universo do Nelson reveste-se sempre de uma ternura (quase) infantil, coisa de colo e de espanto e reúne, em cada ilustração, o melhor que as palavras lhe sussurram, na intimidade que acontece, entre o artista e o suporte. Devo contar – porque eu sei – do voo das mãos sobre o papel, quando o tempo lhe diz,-este é o tempo;
Devo contar – porque eu sei – da liberdade do primeiro esboço e da busca cuidada do fim; Devo contar – porque eu sei – da coreografia das palavras que ela torna visuais. No processo de criação do Nelson fica inscrito o tempo, como um menino que rabisca, primeiro, e que, ao longo da vida, vai aperfeiçoando o gesto, vai complexificando o que
começa simples. Exatamente como na vida (…)”, escreve a respeito.

“Nesta exposição, percebemos a sua verdade: o vagar, a tentativa, a correcção da mão, a escolha das cores, o mistério dos pormenores. E os olhos. Prende-se neles o nosso olhar. Porque é no poço profundo dos olhos que o Nelson guarda o mundo”, refere-se.