JPP lamenta falecimento do historiador madeirense João José Abreu de Sousa

O JPP veio lamentar hoje em comunicado o falecimento, no passado dia 17 de Setembro, do historiador madeirense João José Abreu de Sousa, por muitos considerado o decano dos historiadores locais. “A notícia da sua morte foi discreta como a sua forma de estar na vida”, diz o líder do grupo parlamentar, Élvio Sousa.

2Era natural da freguesia de São Pedro, concelho do Funchal, tendo nascido a 06 de Abril de 1937, filho de Joaquim Carlos João de Sousa e de Henriqueta Ivone de Abreu e Sousa. Do seu percurso académico consta a licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Exerceu a profissão de professor no Continente e na Região Autónoma, sendo os últimos anos de docência exercidos na Escola Gonçalves Zarco no Funchal. Avesso a mediatismos, deixa importante obra, amplamente reconhecida pelos historiadores locais e nacionais, para entendermos melhor alguns aspectos da nossa vivência coletiva, como seja o tema do Porto do Funchal, ao qual dedicou a sua atenção e do qual saiu à estampa o livro “O movimento do porto do Funchal e a conjuntura da Madeira de 1727 a 1820: alguns aspetos. (Funchal 1989)”, refere o comunicado do JPP.

Outros temas como sejam: a história rural da Madeira, nomeadamente os aspectos ligados à colonia; os capitães do Porto Santo; o Convento de Santa Clara; a história da freguesia que o viu nascer, São Pedro e ainda a doçaria madeirense com uma investigação acerca do bolo de mel madeirense que qualificou como o “ex-libris da doçaria madeirense”, são alguns dos aspetos do labor de investigação histórica de João José de Abreu, um historiador que privilegiava as fontes documentais para os aspectos sobre os quais dedicava a sua atenção.

Colaborou ainda em diversas publicações periódicas como “Das artes e da História da Madeira (1966.1967), Atlântico (1985-1989), Islenha (1987-2007), Girão (1989-1993) e no Diário de Notícias do Funchal na década de 1980.

Em 1999 e tendo já percorrido um longo e profícuo “caminho” na investigação histórica madeirense, submeteu a sua dissertação de mestrado em História na Universidade da Madeira. “A Revolução Liberal na Madeira” foi o tema escolhido para tal apresentação, naquela que fica para a História da instituição de ensino superior da Região como a primeira prova de mestrado ali realizada. “Somos filhos do nosso tempo e o olhar atento deste professor e historiador madeirense perdurará para sempre na obra que deixou e no entusiasmo contagiante com que gostava de falar do seu tema de eleição de sempre, a História”, diz Élvio Sousa.

O JPP propõe, pois, um voto de pesar à Assembleia Legislativa da Madeira, relevando o importante contributo para a historiografia madeirense. “Neste momento de pesar, deixamos as nossas profundas condolências à família enlutada e a todos os amigos e pessoas que com ele conviveram”, conclui a nota.