Apesar dos rogos de José Manuel Rodrigues, verificam-se ainda aglomerações de público no Rally

O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira foi uma das personalidades madeirenses a dar a bandeirada de partida hoje para a 61.ª edição do Rali Vinho Madeira, pedindo ao público para que redobre as medidas de segurança. Além da colocação na estrada, rogou aos madeirenses que tomem as medidas necessárias de distanciamento social e de uso de máscara de modo a travar eventuais focos de contágio da covid-19.

“O meu apelo é para que neste rali, durante estes dois dias, as pessoas possam ver a prova com todas as condições de segurança, quer físicas quer do ponto de vista de se protegerem a si próprias e aos outros em termos de qualquer contaminação deste vírus invisível que infelizmente assola a nossa vida colectiva”, disse.

Porém e apesar dos rogos do presidente, hoje têm sido inúmeras as imagens captadas e divulgadas quer nos jornais, quer nas redes sociais, dando conta de aglomerações que não respeitam o distanciamento social – que, aliás, torna-se verdadeiramente impossível de respeitar em determinadas zonas para ver as etapas da prova automobilística, diga-se em abono da verdade.

O presidente do parlamento madeirense destacou ainda, por outro lado, a importância do Rali Vinho Madeira e classificou o evento como “a maior manifestação desportiva da Região Autónoma”.

“Tem um grande impacto junto da população. Não é um evento virado para o turismo, é um evento virado para a nossa população, e depois do confinamento e da pandemia é uma espécie de acto de libertação das pessoas que vêm para a rua ver o rali, que tem 61 anos e que já faz parte da nossa história colectiva”, considerou José Manuel Rodrigues.

Este responsável salientou que “o rali movimenta em toda a ilha o comércio, diversos negócios e isso é importante no momento em que é preciso reestabelecer alguma normalidade económica, caminhar para uma certa recuperação dos negócios, obviamente sem pôr em causa o controlo sanitário.”