CEMGFA sexta-feira no Comando Operacional da Madeira para inaugurar Centro de Operações

Conforme o Funchal Notícias adiantou em primeira mão já há vários dias, o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, estará na Madeira na próxima sexta-feira, dia 24 de Julho, pelas 10h30, para a cerimónia de inauguração do novo Centro de Operações do Comando Operacional da Madeira (COCOM) e de imposição de condecorações a entidades madeirenses. A ocasião será presidida pelo representante da República para a Região Autónoma da Madeira, juiz conselheiro Ireneu Barreto, e contará ainda com o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, José Manuel Rodrigues, e do presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque.

Esta obra, informa o Comando Operacional, faz parte da transformação infraestrutural para a instalação de novos equipamentos e criação de condições para acolher no novo centro de operações representantes dos comandos operacionais dos diferentes ramos das Forças Armadas – Marinha, Exército e Força Aérea – sediados na Região Autónoma da Madeira, das Forças e Serviços de Segurança, da Protecção Civil e de outras agências, para a condução de operações em que a articulação directa e presencial com esses serviços seja uma mais-valia.

Silva Ribeiro estará no Funchal para a inauguração.

O Centro de Operações passará a dispor de fontes de informação que “lhe permitirão um conhecimento mais abrangente e detalhado da situação operacional no mar, em terra e no ar, não esquecendo o ciberespaço. Da fusão desta informação, proporcionada por fontes militares e por fontes abertas, resulta um panorama mais completo, que só está disponível em centros de operações que têm esta capacidade de duplo uso”, referem os militares.

Dá-se, assim, a partir de agora, continuidade a um processo idêntico levado a cabo no Centro de Operações Conjunto, instalado no Comando Conjunto para as Operações Militares, em Oeiras, e, brevemente, a transformação seguirá no Centro de Operações do Comando Operacional dos Açores. No final, todos este Centros poderão partilhar os respectivos panoramas operacionais e criar um panorama comum, que cobrirá toda a área de responsabilidade nacional.

O novo sistema permite ainda a troca de informação operacional, de interesse comum, com os Comandos Operacionais dos Ramos das Forças Armadas, bem como com o Serviço Regional de Protecção Civil, as Forças e Serviços de Segurança e outras agências a operar na Região Autónoma da Madeira.

Está também a ser instalada uma capacidade inicial conjunta de vigilância por meios aéreos não tripulados, com requisitos operacionais específicos para o Arquipélago da Madeira, que poderão operar a partir de posições estratégicas, como o Porto Santo e as Ilhas Selvagens. Será coberta uma parte significativa da área de responsabilidade nacional contribuindo, também, para o exercício da soberania e para uma resposta mais eficaz na busca e salvamento marítimo, no combate à poluição e outras catástrofes ambientais, adiantam fontes militares.

Finalmente, será reactivada a capacidade de comunicações em HF para garantir a autonomia estratégica das comunicações em toda a Região Autónoma da Madeira e desta com o Continente e os Açores.

Esta transformação traduz-se numa mais-valia, não só para a condução de operações militares, mas também para o apoio militar a emergências civis ou a protecção e salvaguarda de pessoas e bens, privilegiando a ligação interagências, militares e civis. As novas capacidades, conferidas por sistemas de informação e ferramentas de apoio à decisão, asseguram a partilha de informação e garantem a optimização do emprego de forças e meios em todas estas acções.

O Centro está preparado para funcionar com três operacionais durante 24 horas por dia e pode receber até 30 elementos das Forças Armadas, do Serviço Regional de Protecção Civil, das Forças e Serviços de Segurança e de outras agências que operem na Região.