CDS reuniu com Jorge Carvalho e mostra-se satisfeito com o desempenho da Secretaria da Educação

O CDS reuniu com Jorge Carvalho, secretário regional da Educação, Ciência e Tecnologia, para debater vários aspectos, nomeadamente, o fim do ano lectivo, que termina precisamente hoje. “Fizemos o levantamento de como decorreu o ano lectivo, sobretudo nos últimos 3 meses, devido à pandemia”, declarou Lopes da Fonseca, que afirma ter tido “a apreciação positiva de todo este processo, quer das aulas não presenciais, por via online, onde soubemos que o processo correu muito bem e que toda a comunidade envolvida se empenhou imenso, desde os pais, alunos, os professores e pessoal não docente, estes últimos que, no último mês com aulas presenciais, acompanharam de perto os alunos, com o cuidado de manter as regras de segurança e o distanciamento social. Em suma, todo este processo correu bem”.

Lopes da Fonseca refere que Jorge Carvalho o informou de que no próximo ano lectivo “todas as escolas da Região, irão iniciar as aulas presencialmente. Haverá a responsabilização, por parte das escolas, no sentido de que se mantenham as regras de segurança, sendo que, provavelmente, irão ter horários diferenciados para que não haja confluência de jovens estudantes nos pátios e entradas das escolas”. Em princípio, adianta o CDS, as escolas iniciarão as aulas na semana de 14 a 17 de Setembro. As creches começam mais cedo, a 7 de Setembro.

Os centristas questionaram ainda o governante com a pasta da educação sobre os concursos quer de pessoal docente quer do pessoal não docente. “Aliás, já foi anunciado que há um concurso para cerca de 130 auxiliares de acção educativa e assistentes operacionais, e, portanto, é provável que também haja uma abertura de concursos, no próximo ano lectivo, para ajudantes de acção educativa para as creches e pré-escolar, o que é positivo tendo em conta as necessidades que existem (…), disse o líder da bancada parlamentar do CDS na ALRAM.

Lopes da Fonseca não deixou também de elogiar a ligação que tem existido entre a SRECT e o parlamento regional.