José Manuel Rodrigues diz que helicóptero para combater incêndios devia ser pago pelo Estado

O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira mostrou-se hoje preocupado com o aproximar da “época dos fogos florestais” e afirmou que “devia ser o orçamento do Estado a pagar o meio aéreo de combate aos fogos florestais e socorro”, na Madeira.

José Manuel Rodrigues esteve hoje no Serviço Regional de Protecção Civil da Madeira. No local, declarou ser “inaceitável que seja a Região Autónoma da Madeira a pagar” o helicóptero, que entra ao serviço a 15 de Junho, para dar cumprimento ao Programa Operacional de Combate a Incêndios Florestais (POCIF). Isto porque o aparelho “visa sobretudo defender o território regional, defender os bens das populações e também a saúde das pessoas. Visa defender a nossa floresta Laurissilva que é Património da Humanidade, dar socorro a pessoas em perigo e essa não é apenas uma tarefa da Região, é uma tarefa e uma incumbência do Estado”, justificou.

No dia Mundial do Ambiente, José Manuel Rodrigues lembrou que alterações climáticas estão a provocar cada vez mais “situações extremas”, por isso considerou necessário “ter bons meios de protecção civil”, meios que a Madeira tem “em quantidade e com excelente qualidade”, opinou.

O presidente do parlamento madeirense aproveitou a visita para agradecer, “em nome do povo da Madeira e do Porto Santo, o extraordinário trabalho que Serviço de Protecção Civil tem feito ao serviço das populações, em particular durante este período da pandemia”. Um agradecimento deixado pessoalmente aos funcionários com quem contactou e de quem recebeu informação sobre a prevenção de riscos inerentes a situações de acidente grave ou catástrofe, sobre o socorro de pessoas e protecção de bens, assim como, sobre o trabalho de formação, fiscalização dos corpos de bombeiros e a coordenação das actividades de protecção civil e socorro.