Eduardo Jesus visitou ontem o Solar de São Cristóvão

O secretário regional de Turismo e Cultura visitou ontem o Solar de São Cristóvão e respectiva capela, no dia que assinala o início da evocações dedicadas a este santo. A dita capela acolhe anualmente as Festas de São Cristóvão, padroeiro dos automobilistas e viajantes. Este ano e devido à pandemia, as celebrações foram adiadas. Apesar disto, o Solar abriu as portas da Capela, decorada com flores e que contou  também com a presença de fiéis e do pároco do Piquinho, padre Ramos, refere uma nota da SRTC.
Habitualmente, referiu Eduardo Jesus, esta celebração acontece “de uma forma bastante envolvente”, com a população a aderir a um grande ambiente de festa… Este ano, acrescentou, as coisas não puderam decorrer normalmente, mas o governante quis estar presente, até como uma forma de “reviver a oferta cultural que ali está instalada”.
Para marcar esta celebração, a página do Facebook do Solar apresenta até 6 de Junho, uma exposição virtual.
De acordo com a SRTC, desde o século XVII que no fim do mês de Maio ou no início de Junho, se realizam romagens e festas em Machico em honra a São Cristóvão, o padroeiro dos motoristas e dos viajantes. A procissão percorre as ruas da cidade de Machico, e à mesma vão-se juntando as pessoas por onde o cortejo passa.
Durante algum tempo, esta tradição perdeu-se, sendo recuperada em 1996 pelo Pároco do Piquinho, padre José Afonso, que realizava a Festa na Igreja Paroquial e depois iam à capela buscar a imagem do santo. Foi também este pároco, que idealizou a procissão de automóvel pelas ruas de Machico. Posteriormente, com o padre Manuel Carlos a festa passou a realizar-se na Capela do Solar de São Cristóvão, continuando actualmente com o Padre Ramos, que prossegue essa tradição apreciada pela população.
Na véspera da festa, no sábado, a Eucaristia realiza-se no fim do dia, acompanhada pelo Coro que anima a cerimónia. Posteriormente, a animação continua na rua com grupos de música tradicional de arraial e finaliza com o fogo de artifício.
No Domingo, realiza-se a Eucaristia da Festa depois do almoço, na Capela do Solar de São Cristóvão, acompanhada também pelo Coro.
Em seguida, sai a procissão em cortejo automóvel percorrendo as ruas de Machico, com muitas pessoas a assistirem pelo percurso, atirando flores e admirando o automóvel que leva o santo, ornamentado com flores.
A procissão volta de novo à capela do Solar de São Cristóvão, onde são benzidos os automóveis que participaram e é distribuído a Oração de São Cristóvão.
São Cristóvão, santo mártir, viveu no século III e foi morto durante o reinado do imperador romano Décio. A lenda da sua vida desenvolveu-se a partir do século VI e mais acentuadamente a partir do século XI. No entanto, a sua canonização ocorreu somente no século XV.