Saúde da Madeira vai utilizar à chegada ao Aeroporto testes com resultados em dez minutos

O secretário regional da Saúde e Proteção Civil esteve hoje na Assembleia Regional para a abordar as alterações aos estatutos do SESARAM e foi paralelamente a essa discussão que garantiu que os testes moleculares a utilizar nos passageiros que chegam ao Aeroporto Internacinal da Madeira Cristiano Ronaldo, deverão ser aqueles que demoram cerca de 10 minutos.

Pedro Ramos respondia ao deputado comunista Ricardo Lume, que falava em testes que demorariam 75 horas e questionava o que faziam entretanto os passageiros, muitos deles poderiam nem permanecer esse tempo na Região. O governante esclareceu o que considerou engano do deputado do PCP, que “confundiu a possibilidade dos passageiros apresentarem um teste feito nas últimas 72 horas, com o teste feito à chegada. Hoje há testes moleculares que demoram três, quatro horas, mas existem outros que demoram cerca de 10 minutos e provavelmente serão esses a utilizar”.

Pedro Ramos mostrou-se “dececionado” com o deputado socialista Élvio Jesus, ex-responsável pela Ordem dos Enfermeiros, criticando o facto da Covid-19 ter “colocado um manto escuro sobre a Saúde na Madeira e o acesso aos cuidados”, apontando ainda a inexistência de representatividade do Poder Local, dos profissionais e dos utentes no conselho consultivo do SESARAM”. O parlamentar do PS-M questionou, ainda, o encerramento total de serviços de saúde como se a transmissão estivesse desregulada, deixando ao critério de cada quintinha a respetiva retoma”.

O secretário diz que aquilo que a Covid-19 demonstrou é que o Serviço Regional de Saúde tem capacidade para responder às necessidades da população.

O deputado Carlos Rodrigues pediu a Élvio Jesus para clarificar a acusação no sentido de haver dirigentes do SESARAM que manhã estão num lado e de tarde estão num outro lado. “Apresente a lista com nomes e identificação dessas pessoas para provar o que diz”, exige o parlamentar socialista, sendo que o vice presidente da Assembleia José Prada, que na altura presidia à mesa, registou o facto.