Polícia passa pela Barreirinha e fecha os olhos à lotação esgotada que rebenta com as regras do estado de calamidade

Pelas 18h00 de hoje, era este o cenário geral na Barreirinha.
Os agentes da PSP passam pelo local, conversam mutuamente e seguem indiferentes à violação do distanciamento social.

Desde as 18 horas de hoje que  o Barreirinha Bar Café está lotado de gente, como se de uma daquelas tardes estivais normais se tratasse,  sempre com uma multidão a marcar presença no concorrido e paradisíaco espaço comercial. Acontece que, a Madeira vive o estado de calamidade até ao dia 1 de junho, com uma regra de comando inequívoca que exige o distanciamento social. As imagens registadas demonstram exatamente o contrário.

Mais alarmante do que o desejo da população de evadir-se neste aprazível espaço, sem cumprir as regras, é a atitude condescendente assumida pela Polícia de Segurança Pública. Face a esta enchente, dois agentes passaram pelo espaço, trocaram amena cavaqueira e viraram costas a tanto cliente, nos muros, sentados e de pé à espera de mesa para o refrescante aperitivo. Qual vírus qual carapuça!

Ninguém parecia preocupado com contágios, pois o clima era de evidente alegria, como se estivessem a ajustar contas com o período de confinamento de má memória. É sexta feira e a noite ainda é uma criança…