Dirigente do sindicato dos enfermeiros (SINDEPOR) lamenta declarações de dirigente do sindicato dos professores

Evaristo Faria é o representante, na Madeira, do SINDEPOR.

O coordenador regional do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR-Madeira), Evaristo Faria reagiu às declarações de um dirigente regional do Sindicato dos Professores sobre a resposta profissional em tempo de pandemia.

“Falemos mais  uma vez de Profissionais de Saúde… É  incompreensível que um responsável sindical duma classe que todos nós valorizamos como um dos Pilares da nossa sociedade, que são os Professores, venha a público de uma forma totalmente descontextualizada  apresentar comentários totalmente despropositados, de vitimização de uma classe que ele pretende e devia  representar, sem minimizar o trabalho daqueles que na linha da FRENTE dão a sua VIDA neste momento, na defesa da Saúde da nossa população”, refere em comunicado.
“Não  somos melhores nem piores  que outras classes mas neste momento coube-nos o ÓNUS da defesa da VIDA.
Revolta este tipo de  comentários quando em plena crise Covid e quando muitos  dos  nossos profissionais, alguns VOLUNTÁRIOS (a quem desde já temos de louvar pela sua abnegação),  outros no dever da sua missão, se encontram  na linha da frente no  seu exercício profissional correndo risco de vida. Muitos que nem a casa vão, com receio de provável  contágio  dos seus familiares”, argumenta.
“A nós interessa-nos  que TODOS fiquem em casa seja em trabalho seja sentados no sofá. Que sejam responsáveis nas suas atitudes  de forma a não colocarem em RISCO os Profissionais de Saúde. Que sejam moderados no  discurso e valorizem quem  tenham de valorizar neste momento”.
“Aqui não existem Pseudo-mártires ou Madre Teresas de Calcutá. Aqui existem profissionais  que lutam e que também  desejariam de estar em casa  se isso fosse  possível. Não  estamos aqui a desvalorizar o trabalho de ninguém mas não  podemos aceitar discursos  que incitam à revolta e mal estar entre classes. Esta não é altura de reivindicações Esta é  altura de SALVAR VIDAS. E que cada qual no desempenho das suas funções  de liderança tenha a atitude  responsável  que se exige a quem está  na frente dos desígnios duma classe”, remata.