Entrevista do Reitor da UMa ao FN (parte 2): José Carmo passa o testemunho no início de 2021

Foto: © Alfredo Rodrigues

(Continuação). O reitor da UMa termina este ano o seu mandato e, em 2021, a Academia madeirense deverá conhecer um novo reitor. A eleição será em fevereiro de 2021.

FUNCHAL NOTÍCIAS: Como é que estão as relações entre a UMa e o M-ITI?


JC: A análise da situação do M-ITI e do papel que este deve desempenhar no enquadramento quer da Universidade quer da Região, no desenvolvimento e promoção da ciência e da tecnologia, é uma matéria que tem vindo a ser alvo de análise por parte da UMa e do Governo Regional.

FN-E com o mundo empresarial, via Start-UP, por exemplo?


JC: A relação com o mundo empresarial tem vindo a estreitar-se, ano após ano, quer através da procura das empresas pelos estudantes da UMa (veja-se a participação cada vez maior das empresas no Fórum da Empregabilidade, que é promovido pelo nosso Observatório do Emprego e Formação Profissional), quer através dos estágios, quer mesmo na investigação, através de propostas conjuntas de projetos de investigação ao Prociência – programa financiado pela EU e que visa o desenvolvimento das pequenas e médias empresas.

Cada vez mais empresas começam a ter a noção de que a colaboração com a UMa, através de projetos, parcerias ou prestações de serviço, pode ser uma oportunidade para o seu desenvolvimento, e progressivamente vamos assistindo a projetos muito interessantes de colaboração, seja na área das tecnologias de informação, seja na área do design dos espaços ou na área agroalimentar, entre outras.

Com a StartUP Madeira, para além de sermos um dos seus sócios, temos um historial de trabalho em conjunto, numa relação win-win. Temos apoiado a StartUP Madeira em diversas iniciativas e temos recebido o apoio da StartUP em muitas outras, nomeadamente na promoção e apoio ao empreendedorismo por parte dos nossos estudantes.

FN: Quais são os dados mais recentes referentes a números de investigação, mestrados, doutoramentos, Erasmus?


JC: De acordo com os dados registados na Web of Science, o número de artigos científicos envolvendo autores da Universidade da Madeira evoluiu, desde 2016, como se segue (crescendo 49,6% de 2016 para 2019 e 12,2% de 2018 para 2019):

Ano da publicação 2016 2017 2018 2019
Artigos em revista científica, com arbitragem por pares e Impact Factor 105 130 139 156

A avaliação do desempenho dos docentes relativa ao triénio 2916/17 a 2018/19, a iniciar, possibilitará a atualização dos dados dos docentes e, nomeadamente, as suas publicações, permitindo uma visão mais completa da produção científica da UMa.

Igualmente aumentou a participação dos docentes da UMa em unidades de I&D reconhecidas e avaliadas positivamente pela FCT, passando de 88 docentes integrados nessas unidades, em 2014, para mais de 101 na última avaliação das unidades de unidades de I&D, em 2017/18.

O número de projetos em execução tem aumentado substancialmente, passando de 17 em 2016, para 32 em 2017, 42 em 2018, e 60 em 2019, e o montante (correspondente à UMa) envolvido no conjunto das candidaturas aprovadas passou de 2.351.430€ em 2016, para 7.184.304€ em 2017, 8.578.982 em 2018 e 10.051.421€ em 2019.

O número de dissertações de mestrados defendidas anualmente varia entre as 100 e as 130, e o número de teses de doutoramento anuais ronda as 10.

Em relação à mobilidade Erasmus, já abordámos o número de estudantes recebidos pela UMa anualmente (mobilidade incoming).

No que respeita à mobilidade outgoing, a UMa tem feito um esforço enorme no sentido de aumentarmos o número de bolsas disponíveis para que os estudantes possam sair, durante um semestre ou um ano, em mobilidade, não só por tal permitir o seu contacto com outros jovens, culturas e modos de vida, mas também por lhes proporcionar o conhecimento de outras instituições e sistemas de ensino, concorrendo, desse modo, igualmente, para o reforço da confiança dos estudantes em si próprios e na qualidade da formação que aqui recebem, por confronto com a que têm nessas outras instituições.

Com o propósito de poder oferecer mais mobilidades aos nossos estudantes, passámos de 2 projetos Erasmus+ em 2016/2017 para 7 projetos Erasmus+ em 2019/2020. Saliente-se que estes projetos são bianuais e as bolsas não utilizadas num ano revertem para o ano seguinte.

O número de bolsas Erasmus disponíveis para os nossos estudantes saírem (para estudos ou estágios) passou de 38 em 2016/2017 para 73 em 2017/2018, 111 em 2018/2019 e 162 em 2019/2020.

Igualmente aumentaram as bolsas disponíveis para os nossos docentes e funcionários não docentes poderem usufruir de uma mobilidade, passando de, respetivamente, 4 e 1, em 2016/2017, para 32 e 16, em 2019/2020.

FN: O conselho geral da UMa presidido por Francisco Fernandes tem feito o seu papel?


JC: O Conselho Geral, presidido pelo Doutor Francisco Fernandes, tem desempenhado amplamente o seu papel, de apoio e análise crítica da atuação da Universidade e da sua direção.

A participação de personalidades externas no Conselho, a começar pelo seu Presidente, tem a enorme vantagem de trazer para dentro da Universidade a visão que dela tem a sociedade, e de transmitir ao exterior o conhecimento que têm da Instituição, do seu desempenho e das suas dificuldades.

FN: A UMa vai passar a ministrar o 3.º ano do curso básico de medicina. Para quando todo o ciclo?


JC: Neste momento o que está aprovado é que os alunos que entrarem em 2020/21 para o Ciclo Básico de Medicina farão na UMa os 3 primeiros anos. Em relação aos alunos que estão atualmente na UMa, a frequentar o 1.º ano ou o 2.º ano do Ciclo Básico de Medicina, poderão optar por frequentar o 3º ano na UMa, ou por frequentá-lo na FMUL (Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa).

É difícil fazer uma previsão de quando poderá funcionar na Madeira todo o Mestrado Integrado em Medicina. O objetivo agora é consolidar esta extensão ao 3.º ano.

FN: Está prevista a abertura de novos cursos em 2020/21?


JC: Este ano letivo foram submetidos para acreditação mais uma licenciatura, um mestrado e quatro cursos técnicos superiores profissionais. Aguardamos, ainda, pela decisão sobre a sua aprovação, ou não.

Por outro lado, houve cursos que já foram aprovados em 2019, mas cuja decisão de acreditação não ocorreu a tempo de possibilitar a sua abertura ainda em 2019, e que irão ser abertos em 2020, como é o caso do mestrado em Biologia Aplicada. Deverá, ainda, iniciar-se em 2020/21 a pós-licenciatura de especialização em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica.

FN: Uma vez terminado o mandato para o quadriénio 2017-2020, este ano haverá eleições para a Reitoria. Tenciona recandidatar-se?

JC: Não tenciono, nem posso candidatar-me de acordo com a lei, uma vez que estou a terminar o segundo mandato consecutivo, de 4 anos cada.

A eleição para o próximo Reitor deverá ocorrer em fevereiro de 2021, sendo antecedida das eleições para o Conselho Geral, que terão lugar em novembro de 2020.

Qualquer um dos meus colegas, professor auxiliar, associado ou catedrático, adjunto ou coordenador, poderá candidatar-se a Reitor. Na realidade, podem ser eleitos Reitores da Universidade, quer os professores e investigadores da UMa, quer de outras instituições, nacionais ou estrangeiras, de ensino universitário ou de investigação.

Chegará a altura em que a Academia deverá debruçar-se sobre esse assunto. Neste momento, na minha opinião, a concentração deverá incidir sobre o contrato-programa a celebrar com o Governo e a análise das medidas necessárias ao cumprimento deste e do Contrato de Legislatura, juntamente com a preparação do próximo ano letivo e o reforço da investigação e da qualidade do ensino.