Descontentamento no Hospital dos Marmeleiros por falta de um capelão para os doentes mas Diocese anuncia renovação completa na saúde

 

O Hospital dos Marmeleiros não dispõe de um sacerdote para dar a unção aos doentes. Numa instituição maioritariamente ocupada por idosos católicos, os serviços administrativos veem-se, frequentemente, aflitos para responder aos pedidos dos doentes que precisam de apoio espiritual. Junto da Diocese do Funchal, o FN confirmou a inexistência de um capelão neste momento, mas também foi referido que se trata de uma “situação provisória”, uma vez que será nomeado brevemente um capelão.

O alerta partiu de uma família que alertou o FN para esta “lacuna”, lembrando que, “num momento em que a Igreja defende, e bem, a vida contra a eutanásia, é preciso que, na prática, seja também coerente e assegure o apoio espiritual aos doentes que querem receber Cristo nas suas vidas”.
Nos contactos estabelecidos pelo FN junto do Hospital dos Marmeleiros, foi possível confirmar a ausência de um capelão na instituição de saúde. Segundo explicam, até ao tempo do falecido padre Romão, então pároco do Monte, havia um capelão ao serviço dos Marmeleiros. Depois disso, a assistência religiosa fica muito ao critério dos familiares dos respetivos doentes. Recentemente, os funcionários solicitam, por vezes, a presença do pároco do Monte que nem sempre responde favoravelmente aos pedidos, atendendo aos seus compromissos paroquiais.
Da parte da Diocese do Funchal, apurámos que “está em processo uma renovação completa na pastoral da saúde e assistência espiritual aos hospitais”. Segundo foi ainda comunicado ao FN, recentemente, foi nomeado um capelão para o Hospital Dr Nélio Mendonça. Aguardamos a nomeação para o Hospital dos Marmeleiros, assim como uma equipa de capelães que trabalhem em conjunto num trabalho de presença nos hospitais, de acompanhamento dos doentes, das famílias e de quem todos os dias trabalha com os doentes. Neste momento, o pároco do Monte está a garantir a assistência espiritual no Hospital dos Marmeleiros”.