Carlos Pereira acusa o PSD-Madeira de ter “duas caras”

Carlos Pereira referiu, hoje, o facto de o PS ter aprovado diversas propostas de alteração ao Orçamento do Estado apresentadas pela oposição, lamentando, por outro lado, que o PSD-M não tenha a mesma postura na Região, dado que no Parlamento madeirense chumbou todas as iniciativas da oposição.

O deputado do PS-M no Parlamento nacional entende que o debate na especialidade do Orçamento do Estado 2020 não segue os padrões dos anteriores, sendo que, ao fim do terceiro dia de debate, fica claro que a geometria parlamentar tem permitido a aprovação de propostas que não constavam no Orçamento inicial. Contudo, aponta que não são em exclusivo as propostas do PSD-M, mas transversais a todo o Orçamento, pelo que “parece excessivo, para não dizer cómico, que alguns chamem a si a genialidade da estratégia”.

Carlos Pereira clarifica alguns pontos que, afirma, os deputados do PSD-M querem esconder. Por um lado, aponta o “isolacionismo factual” dos parlamentares sociais-democratas, “quando há dezenas de propostas recusadas pelo próprio partido”. “Querer convencer a Assembleia da República quando não se convence o partido é insólito”, adianta, considerando que este facto pode comprometer votações futuras de assuntos iguais, mas nos contextos certos, como alterações de diplomas como a Lei de Finanças Regionais.

O deputado diz, por outro lado, que foram muitas as propostas da Madeira que o Grupo Parlamentar do PS aprovou, tendo-o feito “em prol dos madeirenses e não por imperativo partidário”. “Foi por isso que votamos com todo o conforto em propostas do PSD-M e do PCP”.

O parlamentar acusa ainda PSD-M de ter “duas caras”, já que defende o bem-estar da Madeira na Assembleia da República (segundo dizem os seus deputados), mas “está completamente a marimbar-se para o mesmo bem-estar dos madeirenses tratado na Madeira e na Assembleia Legislativa Regional”. Tal como recorda o deputado socialista, das 236 propostas da oposição, em sede de Orçamento Regional, “aprovaram uma do PCP sem qualquer impacto”.

“Afinal, defender a Madeira não é aumentar o subsídio de insularidade, aumentar o salário mínimo, reduzir os impostos, dar mais dinheiro aos nossos velhinhos, ajudar as nossas crianças com manuais escolares”, ironiza Carlos Pereira, criticando que tenha sido “tudo chumbado pelo PSD-M”. “Talvez fosse melhor explicar isto do que fazer números de circo, chamando a si méritos que, além de não serem seus, são circunstanciais”, aconselha.

Pereira frisa ainda que enquanto os deputados do PS no Parlamento nacional fizeram tudo o que podiam para aprovar o que lhes pareceu importante (inclusive propostas de outros partidos), “o PSD-M não mostrou defender os madeirenses, passando o rolo compressor em tudo o que era bom e travando 236 propostas que ajudavam os madeirenses”-