Olavo Câmara tece grandes elogios a Mário Centeno e ao Orçamento do Estado

“O Orçamento do Governo Socialista é bom para os portugueses e, em particular, é bom para a Região Autónoma da Madeira”, considerou hoje o deputado do PS-M à Assembleia da República, Olavo Câmara, aquando da audição ao ministro das Finanças, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2020.

O parlamentar madeirense destacou o facto de o Orçamento garantir o novo Hospital da Madeira como Projecto de Interesse Comum e de assegurar o seu co-financiamento em 50% por parte do Estado. Por outro lado, salientou que está garantida a transferência de 220 milhões de euros do Orçamento do Estado para a Região. Para além disso, o documento garante mais 100 milhões de euros para a mobilidade aérea das regiões autónomas, mais 10 milhões de euros para programas de emprego e qualificação regional, permite baixar em 1% a electricidade na Madeira e prevê o projecto do cabo submarino.

Olavo Câmara sustentou que este é um Orçamento que respeita a Autonomia, sublinhando que “o governo do Partido Socialista é o único que até agora cumpriu na sua plenitude a Lei das Finanças Regionais e respeitou a nossa Autonomia”.

O parlamentar evidenciou também o facto de o ministro das Finanças já ter anunciado uma nova redução dos juros da dívida da Madeira, bem como o facto de o ministro do Planeamento ter confirmado um aumento dos fundos europeus no próximo quadro comunitário.

“O senhor ministro está de parabéns: Conseguiu colocar todo o PSD a bailar à sua volta, até o PSD-Madeira baila em cima do PSD nacional”, disse Olavo Câmara, destacando que o próprio PSD-M considerou este um bom orçamento.

Dirigindo-se a Mário Centeno, o deputado madeirense afirmou que “os seus orçamentos têm dado, ano após ano, um baile a toda a direita”. “Deu baile ao mostrar que não é preciso empobrecer os portugueses para Portugal ser competitivo; Deu baile quando mostrou que podemos aumentar os salários, reformas e complementos e ter ao mesmo tempo contas certas; Deu baile quando mostrou que não é vendendo as empresas públicas que se corta as gorduras do Estado, nem cortando na administração pública que se tem uma função pública empenhada; Deu baile quando aposta na educação dos jovens portugueses, em vez de os convidar a emigrar; Deu baile quando demonstra, ano após ano, que não é preciso orçamentos rectificativos e que é possível ter o primeiro superavit da nossa democracia”, rematou.

Olavo Câmara terminou a sua intervenção lembrando que Mário Centeno é muitas vezes apelidado de “Cristiano Ronaldo das Finanças”, acrescentando que com tanto “baile” ainda o vão apelidar de apreciador do “Bailinho da Madeira”, o que entusiasmou o próprio ministro e levantou muitos apartes dos deputados.