Estepilha – Também quero uma Missa do Parto…

Missa do Parto SéO Estepilha está eufórico com o Natal e imbuído daquele espírito natalício que carateriza esta época, muito particularmente na Madeira e no Porto Santo, com os cheiros e sabores únicos, os convívios, as festas e as partes religiosa e profana no seu elevado grau que este tempo de Natal propicia. Por isso, gosta das Missas do Parto, da Missa do Galo e por aí fora, de tudo o que seja Natal.

Por isso, como não custa pedir, o Estepilha vem dizer, hoje, que também quer uma Missa do Parto só para si. Também para os Amigos da Poncha e para a Associação Recreativa do Bolo de Mel Madeirense ou para o grupo de convívio da zona velha da cidade. Para tudo quanto é grupo, organizado ou não. Todos têm direito à vida e se nos últimos dias temos assistido a missas do parto por tudo e por nada, de grupos e associações, até de marcas e de departamentos do governo em sobreposição, das Câmaras, também queremos uma.

Acontecem em todo o lado, de tal forma que o Estepilha não sabe onde foram desencantar tanto padre para isto tudo, devemos estar bem servidos nesta matéria e D. Nuno Brás tem uma equipa bem orientada. A dúvida é se não deveriam ser confinadas às paróquias e ponto final. Quem quisesse Missa do Parto fazia a festa numa das paróquias. Qualquer dia, o Bispo vai começar a receber convites para Missas do Galo em casa. Se calhar, o Estepilha até está a dar ideias e por isso vai já calar-se para dar tempo a um licor da festa e uma broa de mel.

O Estepilha lembra, embora toda a gente saiba, que estas Missas do Parto são nove e celebradas entre 16 e 24 de dezembro em todas as paróquias da Madeira e Porto Santo. Uma devoção mariana que comemora a gravidez da Virgem Maria, juntando-se o tal lado profano que se junta ao religioso e proporciona o convívio, que seria de todo conveniente manter no âmbito das paróquias e não noutros contextos. Mas se há quem defenda que o Natal é quando o homem quiser (já agora também a mulher), também o mesmo se aplica às Missas do Parto. Neste caso, quando e onde o Homem quiser.