CDU denuncia precariedade laboral, desta vez na juventude, junto à Meo/Altice

A Juventude CDU realizou hoje uma acção política para denunciar a grande precariedade laboral a que os jovens estão sujeitos. Aos órgãos de comunicação social o dirigente nacional da Juventude CDU, Duarte Martins deu conta, junto ao Call Center da Meo/Altice, de conversas com os jovens trabalhadores que permitem constatar que estes desempenham funções permanentes a contratos precários e renováveis de 15 em 15 dias. Muitos destes jovens, com formação superior, são contratados através de empresas de trabalho temporário, denunciou. Uma denúncia que vem ao encontro de outras já anteriormente realizadas pela CDU.

Esta situação, para além ser uma forma de exploração, comporta um nível de insensibilidade para com os trabalhadores, denuncia esta força política, qaue diz que a Meo/Altice, no seu Call Center, conta com mais de 350 trabalhadores, que não tendo nenhum de vínculo directo com a empresa,, estão todos em regime de subcontratação em empresas subsidiarias de trabalho temporário, “criadas para manter a “lei da selva” e aumentar a precariedade”.

“A Meo/Altice já veio em Agosto de 2018 confirmar que nos seus “Call-Centers” nenhum trabalhador é seu. Portanto explora um esquema de subcontratação que faz explorar os seus trabalhadores e isto tem de deixar de acontecer!”, sentenciou Duarte Martins.

Acrescentou que um jovem se não tiver um trabalho com direitos com um salário digno, não se pode emancipar e ter uma vida condigna, “não poderá constituir família, comprar o carro, a sua casa, finalizar os seus estudos, comprar as suas coisas. Muitos até já fazem um tremendo esforço para poderem comer… Existe tanto mês para tão pouco salário…”

Apela, por isso, ao Governo Regional e ao Governo da República e ao próprio concelho de administração da Meo/Altice para que tome iniciativa e que acabe de uma vez por todas estas explorações à juventude madeirense e porto-santense. “É fundamental que para cada posto de trabalho permanente corresponda a um vínculo de trabalho efectivo e com direitos”.