PTP acusa Paulino Ascenção de ir “a reboque de promessas da Câmara”

Coelho Santo da Serra PTPO PTP veio hoje a público reagir às declarações de Paulino Ascenção que classifica de “iluminado dirigente máximo do BE na RAM sobre a posição do PTP em relação ao Orçamento Municipal do Funchal”, acusando o líder do Bloco “ex militante da JSD” de “interferir na posição que alguns partidos em particular o PTP tiveram na Assembleia Municipal”.

Ascenção disse que “JPP, PCP e PTP são os novos apêndices da coligação PSD-CDS”. Eo PTP, em comunicado, responde dizendo que “o historiador e cientista político, Paulino Ascensão referiu e bem o papel do PTP no combate as políticas de direita, e no combate ao regime autoritário, função que não abdicamos como ficou provado hoje na AMF. As políticas de direita e o autoritarismo devem ser objeto de combate político do PTP, sejam elas protagonizadas pelo PSD ou pelo PS. Mais informamos que quem se enganou na votação desta tarde na AMF foi o BE. Em 2017 o Senhor Paulino Ascensão não tinha duvidas que o PS era igual ao PSD”.

Num comunicado assinado por Quintino Costa, o PTP aponta que “Paulino Ascensão vai a reboque da promessa que lhe foi feita pelo executivo camarário Promessa essa que brevemente será pública. O senhor dirigente partidário e funcionário municipal não passa de um apêndice do executivo municipal e todos percebemos a sua angústia sobre o chumbo do orçamento municipal não fosse o referido senhor ex e futuroso diretor financeiro do município.

E a finalizar transcreve “o pensamento de Paulino Ascensão em 2017.

 

diz que o PS “perdeu a oportunidade de afirmar uma prática política diferente da do PSD”