Mãe apanhada a tentar introduzir “língua de haxixe” e comprimidos na cadeia do Funchal

Ontem, sábado, pelas 14h30, durante o controlo e revista dos visitantes dos reclusos do EP Funchal, foi detectado à mãe de um recluso que se encontra a cumprir pena por roubo, vários comprimidos e uma substância supostamente estupefaciente, conhecida na gíria como “língua de haxixe”.

Segundo conseguimos apurar, após o controlo da visitante na Portaria do estabelecimento prisional, a mesma foi submetida a uma revista por um elemento feminino do Corpo da Guarda Prisional que detectou o transporte das substâncias dissimuladas na parte lateral do soutien.

Ao que tudo indica, trata-se de uma visitante que já estava sinalizada pelo Corpo da Guarda Prisional por suspeitas de introdução de estupefacientes no EP, que passava através do próprio filho no local dos parlatórios, e onde foram detectados movimentos suspeitos.

O recluso em causa chegou a participar em atividades desportivas no interior do estabelecimento, tendo sido afastado da equipa de futsal após ter sido rastreado em testes de droga com resultado positivo.

Uma vez detectada, a mãe do recluso aguardou nas instalações do estabelecimento prisional até à chegada dos inspectores da Polícia Judiciária.

A ocorrência de ontem tem contornos e um ‘modus operandi’ muito semelhante com outro caso anterior, o de outra mãe que chegou a ser interceptada na revista quando tentava transportar substâncias estupefacientes para os seus dois filhos reclusos.