Francisco Mota faz palestra no Colégio dos Jesuítas sobre o que esperar da Igreja no século XXI

Num tempo marcado pelo secularismo, não é fácil falar de Deus e de Igreja. Mas o sacerdote jesuíta Francisco Mota aceita o desafio de falar da importância e da necessidade de Deus na vida de cada pessoa, sobretudo no século XXI. Um tempo de tantas comodidades mas também de muitas e muitas chagas humanas. Será assim a conferência agendada para o dia 22 de novembro, no Colégio dos Jesuítas, na Reitoria da UMa, pelas 18 horas. Também é de referir que Francisco Mota conduzirá os trabalhos do dia seguinte, sábado, no Colégio de Santa Teresinha, nas Jornadas de Atualização dos Leigos.

São promotores da palestra do dia 22 de novembro, intitulada “Violência, Verdade e Tradição: o que esperar da Igreja no século XXI”,  a Associação Académica da UMa e a Igreja de S. João Evangelista.

A palavra que provavelmente mais une nos nossos dias a Igreja e o mundo político, empresarial, ou académico, é “Missão”. As organizações falam de Mission Statements, as escolas de Missão Pedagógica, as empresas da Missão do Líder Empresarial. A Igreja, como sempre, continua a falar da Missão que recebe à luz do Evangelho. Nesta conferência, o P. Francisco Mota, jesuíta e Diretor-Geral da Brotéria, falará de três grandes temas que têm visto significativa evolução no seu entendimento ao longo das últimas décadas. O que pensa a Igreja hoje em dia sobre o tema da guerra, paz e violência? Como se pode educar nas virtudes – e em especial na relação com a verdade? E qual a melhor forma de pensar na tradição que recebemos à luz dos desafios do mundo moderno?

Esta conferência insere-se na celebração dos 450 anos da chegada da Companhia de Jesus ao Funchal e pretende ser uma oportunidade para reflectir e discutir sobre aquilo que se pode esperar da Igreja em pleno século XXI.

A entrada é livre, mas limitada à capacidade da sala.