CMF continua a ignorar manutenção das árvores na Rua João de Deus; Inverno aproxima-se

A Câmara Municipal do Funchal continua diligentemente a ignorar a óbvia necessidade de poda das árvores da Rua João de Deus. Os ramos ultrapassam telhados das casas, praticamente entram pelas janelas e sacadas dos moradores adentro, e os jacarandás, com a sua pequena folha, entopem as caleiras das águas pluviais das casas, provocando inundações no Inverno. Mas, apesar dos repetidos alertas do FN, o departamento supostamente competente visivelmente não quer saber.

As fotografias ilustram bem o desleixo a que é votado o tratamento dos jacarandás desta rua. Ninguém deseja o seu abate indiscriminado. Apenas a sua poda e manutenção, que nas anteriores vereações, por conta do PSD, era realizada periodicamente. Aparentemente a gestão socialista quer distinguir-se das dos social-democratas no tratamento das árvores por duas formas distintas: ou pelo abate indiscriminado, presa de uma fúria arboricida que tem a segurança dos cidadãos como intenção declarada, no rescaldo do trauma do Monte. Ou então, pelo seu absoluto oposto, que é não tratar das árvores de uma das ruas mais bonitas da cidade, deixá-las crescer ao abandono, ultrapassar telhados a uma altura em que ninguém as pode cortar a não ser a Câmara com recurso a um camião com um elevador especial articulado, e entupir com as suas folhas, no Inverno, com a chuva e o vento, as caleiras que escoam as águas excessivas da chuva de cima das casas dos cidadãos.

Vergonhoso é uma palavra adequada para o estado a que se deixou chegar aquela artéria. A estação invernosa aproxima-se e com ela, a chuva e o vento. Cortar os ramos das árvores que pendem sobre as casas é obrigação da autarquia, mas esta demite-se da mesma. E a empresa contratada para iluminar as ruas na quadra natalícia coloca, ridiculamente, sobre estas árvores desleixadas e a necessitar de poda, as luzes de Natal.

Daqui até ao dia da Festa, é de prever que os ramos entrem pelas janelas dos moradores adentro.

Ontem um pequeno vento foi o suficiente para fazer cair todo o tipo de galhos e folhagens para os passeios e para a estrada. Imagine-se o que não será no Inverno, com chuva e ventanias fortes. São estes detritos que entopem o escoamento de águas da chuva nos tectos nas casas dos moradores. Os tais moradores pagantes de impostos para os quais a CMF se está, nitidamente, a borrifar. Esta constatação inevitável é do FN, à terceira notícia sobre o assunto, sem se que se veja um galho cortado.

Estas folhagens e ramos entopem as adufas e as caleiras de escoamento de águas dos tectos das casas.

As árvores quase entram pelas casas das pessoas adentro.