CDS pede duas secretarias no governo e relevo no Parlamento, mas primeiro quer acordo político e depois programático

CDS comissão política A
“Obviamente que há ideias do programa do CDS que queremos ver lá vertidas. Estamos no acordo polítco e vamos avançar no capítulo programático”, esclarece Rui Barreto

A Comissão Política Regional do CDS PP Madeira reuniu-se esta noite e o líder Rui Barreto reforçou que as negociações que começaram segunda-feira, com o PSD, representam “o cumprimento da moção que levei ao último congresso e que dizia isto: iniciar negociações com quem o povo manifestou maioritariamente essa vontade”. As negociações foram iniciadas segunda-feira e prosseguiram hoje. Tudo para que o próximo Governo Regional seja PSD/CDS.

Para já, desta noite de reunião partidária em que Barreto foi mandatado por unanimidade, saíram algumas diretrizes muito concretas. Como por exemplo, o facto do CDS “ter manifestado a vontade de ficar com duas secretarias no Governo”, como revelou o líder. Além disso, o CDS “terá uma posição relevante no principal orgão de governo próprio”, a Assembleia. “Quando me sento num tabuleiro e só num tabuleiro, empenho-me para que dê certo. A seu tempo avaliaremos e estou empenhado em que as coisas corram bem”.

Para desfazer dúvidas relativamente a eventuais diferendos internos, designadamente com o presidente do CDS José Manuel Rodrigues, Barreto garantiu que os dois estão de acordo, até porque os dois subscreveram a moção no congresso. “O PSD convidou o CDS para iniciar conversações e aquilo que eu disse ao presidente do PSD foi que a mim e ao CDS o que interessa é um projeto para a Madeira, para os madeirenses, para nós, para os nossos filhos e nossos netos. E que esse programa deve refletir uma vontade de ambas as partes e deve ser para todos. Mas primeiro vamos fazer um acordo político, foi o que começou hoje com uma reunião envolvendo três elementos do CDS e três do PSD”.

Rui Barreto convocou a comissão política precisamente para garantir o apoio e estar devidamente mandatado para ir até ao fim com as negociações. Saíu da reunião desta noite com unanimidade, por isso vai até ao fim. Agora, é seguir em frente, mas o líder centrista lança questões que devem ficar esclarecidas: “como é que estes dois partidos se vão relacionar? Como vão coabitar entre si? Tem de haver regras claras. Eu desejo que este governo seja estável e responsável para bem da Madeira e do Porto Santo. Depois disso, vamos definir um programa e obviamente que há ideias do programa do CDS que queremos ver lá vertidas. Estamos no acordo polítco e vamos avançar no capítulo programático”.

Rui Barreto diz que ainda não é hora de falar em pessoas, recusa “uma mercearia de lugares” e a seu tempo, ele e o líder do PSD, Miguel Albuquerque, vão anunciar o que ficar decidido se as negociações chegarem a bom porto.