Saiba tudo sobre o novo Jardim do Garajau que Albuquerque visita esta quarta-feira, veja as imagens

Jardim do Garajau A
O Jardim terá duas portas de entrada, “por forma a encerrar durante o período noturno e assim prevenir atos de vandalismo”.
Jardim do Garajau B
O declive foi aproveitado para ali se instalar um anfiteatro (ao fundo desta imagem) com bancos de betão e onde se poderão organizar pequenos eventos.
Jardim Garajau D
O novo Jardim do Garajau envolve um custo de 1,1 milhões de euros.

As obras estão hoje em “passo acelerado” para que amanhã, 18 de setembro, pelas 18 horas, Miguel Albuquerque possa visitar o novo Jardim do Garajau com uma imagem mais ou menos “limpa” e mais perto daquele que será o produto final, sendo que depois do presidente do Governo estar no local ainda haverá certamente muito trabalho pela frente.

O investimento é de 1,1 milhões de euros, já com IVA e pretende constituir uma zona de lazer para a população num local onde antes já funcionou uma pedreira, entretanto desativada. Este espaço de lazer e fruição, com cerca de 7.500 metros quadrados, inclui cafetaria, pista para bicicletas, skate e patins, uma extensa área verde e uma outra de monumento geológico, para além de um parque infantil e um anfiteatro ao ar livre, com vista mar.

Este investimento permite disponibilizar à população um espaço lúdico, de socialização e exercício físico. Os antecedentes da exploração de areão deram o mote para o tema escolhido para o jardim: a Paisagem Pós-industrial.

Uma nota da presidência do Executivo refere que “desta forma, mantém-se a parede de escavação, transformada em monumento geológico e passa esta a ser visitável através de uma passagem aérea desnivelada, a meia altura, que a acompanha em grande parte da sua extensão e permite uma visão aérea do jardim e uma panorâmica extra sobre os arredores e a linha de costa”.

No centro do jardim foi implementada uma cafetaria com esplanada em deck, lado a lado com um amplo relvado e um espaço de recreio para as gerações mais novas, com equipamentos que apelam à motricidade, ao equilíbrio, à destreza física e à coordenação motora. A partir do café, existe uma rampa sem condicionantes de acessibilidade, que permite aceder ao topo superior do jardim, onde se encontrará um circuito para bicicletas, bem como para skate e patins. A encosta imediatamente abaixo é ocupada por diversos escorregas, com diversos desníveis.

“Ainda nesta vertente oeste, o declive da encosta é aproveitado para ali se instalar um anfiteatro com bancos de betão e onde se poderão organizar pequenos eventos. No jardim, a nível da vegetação, espécies mais exigentes alternam com outras de menores necessidades hídricas. Desta forma, árvores subtropicais de floração impactante, como as coralinas, os himenosporos e as cássias-do-nordeste, aliam-se aos exemplares de copa frondosa, como a rústica canforeira, tendo-se igualmente apostado em espécies de formato escultural, caso das patas-de-elefante, das cordilines-da-austrália, dos dragoeiros ou dos pandanos. Nas zonas de estadia dar-se-á preferência a espécies de folha caduca que permitam a passagem dos raios solares no inverno”, explica a mesma nota explicativa do investimento amanhã visitado por Miguel Albuquerque.

Refira-se ainda que o Jardim disporá de duas portas de entrada, por forma a encerrar durante o período noturno e assim prevenir atos de vandalismo. Terá também sanitários públicos e arrecadações para jardinagem.