Presidente da Altice acusa ANACOM de deixar Madeira e Açores para o fim da introdução tecnológica TDT

Altice Alexandre Fonseca com CaladoAlexandre Fonseca, o presidente executivo da Altice, negou hoje a existência de qualquer hostilidade do grupo para com o regulador ANACOM, mas aproveitou a presença na Região para lançar fortes críticas a esse mesmo regulador sobre a implementação do sistema tecnológico TDT nas Regiões Autónomas.

O responsável daquela operadora lembrou que “o regulador publicou recentemente uma consulta pública sobre o TDT e mais uma vez a Madeira e Açores foram deixadas para o fim, serão as duas últimas regiões do País com a tecnologia TDT. Mais uma vez a insularidade das Regiões Autónomas fica vincada na postura do regulador.

O presidente da empresa refere que “não há qualquer clima de hostilidade entre um operador e o regulador. Há uma indústria que está insatisfeita com o trabalho do regulador, em relação ao 5G mas não só. Ainda recentemente, o secretário de Estado das Comunicações deixou recados muito claros relativamente ao atraso do programa 5G, manifestamente por responsabilidade deste regulador (ANACOM). Não é a Altice, é a indústria”.

Estas declarações surgiram num contexto em que a Altice Portugal alargou, hoje, a presença na Madeira com a criação de 100 novos postos de trabalho e, com isso, aumentando para 400 trabalhadores na Região. Confirma-se, assim, a forte presença do grupo na Região, sendo que esse posicionamento no mercado madeirense, segundo o presidente Executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, fica a dever-se “ao excelente entendimento com o Governo Regional”.

Depois de uma visita às instalações da Altice, com a presença do vice presidente do Governo Regional, Pedro Calado, teve lugar a inauguração, na Ribeira Brava, da Plataforma de promoção do talento tecnológico, considerado a “jóia da coroa” do Grupo, um  laboratório que “é uma aposta na área da inovação, um ponto importante para atração de talento e conhecimento nas áreas de turismo, da mobilidade”.

Alexandre Fonseca garante que o grupo está muito satisfeito com o volume de negócios na Região, referindo o investimento na fibra ótica e apontando que, neste momento, a cobertura está nos 70%  e o objetivo é ultrapassar os 80% no final deste ano e no próximo anos chegar aos 90%. Estamos a crescer, quer na componente residencial quer na componente empresarial”.