CDS assume-se “alternativa” com o apoio da primeira escolha de Albuquerque para a Saúde

CDS programa de governo A
Manuel Brito é o “peso pesado” que o CDS apresenta para a Saúde.
CDS programa de governo B
“Os madeirense têm hoje uma opção clara que é a utilidade do CDS”, diz Rui Barreto, líd.er do CDS

Com algumas figuras que foram escolhas de governos de Miguel Albuquerque, o CDS PP Madeira apresentou hoje o programa do partido tendo em vista as eleições regionais de 22 de setembro. Manuel Brito, o primeiro secretário deste Governo do PSD, estata sentado na plateia, Ermelinda Alves também.

“Somos uma alternativa ao PSD, que foi um desilusão, e a um PS, que é uma ilusão”, afirmou o líder do CDS-PP, Rui Barreto, ao fim da tarde desta quarta-feira, durante a apresentação pública do programa do partido – o primeiro partido a fazê-lo – nos jardins do Museu Quinta das Cruzes, com a presença de uma centena de militantes, simpatizante e convidados.

De entre os convidamos, alguns nomes de peso da sociedade madeirense e que no passado exerceram destacadas responsabilidades governativas na Região. É o caso do primeiro secretário regional da Saúde de Miguel Albuquerque, o médico Manuel Brito, de Ermelinda Alves, que desempenhou vários cargos no Serviço Regional de Saúde da Região (SESARAM), Rui Alves, que também ocupou funções de coordenação no SESARAM, os médicos Pedro Costa Neves e Filomena Gonçalves, e o antigo líder do CDS-PP Ricardo Vieira.

Com uma plateia bem composta, Rui Barreto aproveitou para vincar: “Os madeirense têm hoje uma opção clara que é a utilidade do CDS. Olhem para o programa e para as ideias do CDS. Olhem para as soluções do CDS e para a nossa gente. Se formos chamados a responsabilidades maiores não é para que tudo fique igual. Nem vamos a qualquer preço e qualquer custo. Mas se lá chegarmos é sempre por vontade do povo, é para transformarmos a Madeira, não é para que tudo fique igual.”

O programa do CDS-PP resulta da colaboração de 50 personalidades regionais que participaram nas 14 conferências coordenadas pelo Conselho Económico e Social do partido.

Para Rui Barreto, a forma organizada com que o CDS se apresenta nestas eleições, sendo o primeiro partido a entregar as listas no tribunal e também o primeiro a apresentar o programa de governo, representa um sinal para os eleitores: “É a prova de que os madeirenses não têm apenas duas escolhas. Se me permitem, há até um certo bi-partidarismo artificial que querem impor. Os madeirenses têm outra escolha, além daquelas que a comunicação social e alguns querem fazer sentir, que é o CDS. O CDS vai sozinho às eleições. Nós pensamos pela nossa cabeça e somos uma alternativa ao PSD e ao PS. Uma alternativa a um PSD, que é uma desilusão, e uma alternativa ao PS, que é uma ilusão.”

Rui Barreto afirma-se uma homem de “convicções e firme quando é necessário”, referiu, numa alusão às duas vezes que chumbou dois orçamentos de Estado quando o CDS era governo na República. “Temos tudo, estamos motivados, cheios de energia, vamos ao trabalho, espero que este seja de facto o momento CDS.”

Regionais 2019

O Conselho Económico e Social do CDS, órgão liderado pelo deputado José Manuel Rodrigues, foi responsável pela elaboração do programa de governo. “O programa apresenta soluções e respostas às angústias e dificuldades de tanta gente da nossa terra”, afirmou. “Não prometemos tudo a toda a gente, porque sabemos que o dinheiro não abunda. Quem quer ser governo responsável tem que fazer escolhas e tomar opções em função do bem comum.”

José Manuel Rodrigues ironizou que “o Partido Socialista quer mudar a Madeira em 100 dias, e que agora o Estado vai dar à Região tudo o que o governo socialista nos negou nos últimos quatro anos”.