Restauro do Convento de Santa Clara atravessa a primeira fase, segue-se o patrimónoio artístico

Convento de Santa Clara jpgJá estão em andamento as obras correspondentes à primeira fase do projeto de Reabilitação e Restauro do Convento de Santa Clara, classificado como Monumento Nacional. A secretária regional do Turismo e Cultura visitou os trabalhos de beneficiação global da infraestrutura, nomeadamente no que à recuperação das áreas visitáveis (igreja, coro alto e antecâmaras, futuras salas de exposição, capelas, futura área de reserva, claustro e portaria) respeita.

Segundo uma informação veiculada pelo gabinete de comunicação de Paula Cabaço, expressando declarações da governante, trata-se de uma intervenção “que é, sem dúvida, das mais importantes alguma vez realizadas, na Região, a este nível, atendendo à importância histórica e patrimonial do imóvel, mas, também, à complexidade dos processos e metodologias de intervenção associados, com o objetivo de salvaguardar as suas características “, conforme destacou, na ocasião, a governante, numa visita em que fez questão de reiterar que “o Governo Regional tem cumprido com os seus compromissos no que diz respeito à  recuperação do património edificado”, lembrando que “70% do orçamento da Direção Regional da Cultura tem sido, precisamente, direcionado a esta área”.

Esta obra de beneficiação acaba por ser “uma intervenção igualmente marcante a nível nacional, não só pela valorização e salvaguarda do património, mas também pelo que será dado a conhecer, assim como pelas condições que serão proporcionadas em termos de fruição deste espaço”, reforçou Paula Cabaço, acrescentando que, através deste projeto, “estão a ser também criadas condições para o estudo e a investigação ligada à própria história da Madeira”.

Este é o único convento do século XV da Região (as suas obras iniciaram-se em 1492), sendo uma das casas religiosas mais importantes a nível nacional, à época e contém, no seu espólio pinturas, esculturas, azulejos, talha, mobiliário, elementos construtivos e decorativos únicos.

A segunda fase dos trabalhos irá incidir na conservação e restauro do património artístico, móvel e integrado, do qual se destacam as pinturas, esculturas, talhas e azulejaria, tendo por base o caderno de encargos desenvolvido pelos técnicos do Laboratório José de Figueiredo e do Museu Nacional do Azulejo, da Direcção-Geral do Património Cultural. Uma fase que irá arrancar em breve e em concomitância com a primeira.

Na terceira fase, a intervenção a efetuar consistirá na própria acessibilidade ao convento, dotando o edifício de um percurso visitável. Aliás, no final das obras, as áreas visitáveis e de acesso do Convento de Santa Clara serão duplicadas. Nesta fase, será dada particular atenção aos detalhes arquitetónicos e ao acervo, incluindo o que não está, por ora, visível.

Acresce referir que o Governo Regional pretende ainda que este imóvel faça parte integrante de um roteiro cultural e turístico do Funchal e da própria Região. Para esse efeito, será produzido material gráfico e desenvolvido um plano de comunicação.