CDU foi ao Curral denunciar fraude e desvio de verbas destinadas ao 20 de fevereiro

Na iniciativa política de hoje a CDU responsabiliza o Governo Regional e o Governo da República, o PSD e o PS, pelo desvio de verbas e por fraude na aplicação das verbas que se destinavam à reconstrução dos prejuízos provocados pela catástrofe do “20 de fevereiro” de 2010 na ilha da Madeira.

Segundo uma nota de imprensa, nesta iniciativa, que decorreu ao longo da manhã na freguesia do Curral das Freiras, Edgar Silva afirmou que «passados tantos anos deveria constituir escândalo nacional verificar que tanto está por fazer no quem respeita à reconstrução. Tantos anos depois ainda estão por aplicar 459 milhões de Euros. Tantos anos depois do “20 de fevereiro” apenas terão sido aplicadas cerca de 48% das verbas que deveriam ser para a reconstrução dos muitos estragos provocados pela aluvião. Até admira que, a nível nacional muito se fale do escândalo na aplicação das verbas de Pedrogão, quando na Madeira o escândalo do desvio de verbas e do muito que falta fazer tem uma dimensão incomparavelmente maior.»

Para a CDU, segundo disse Edgar Silva, «está em causa o desvio de verbas que o Governo Regional, com a conivência do Governo da República, com a igual participação quer do PSD, quer do PS, dirigiram para outros projetos, como aconteceu, entre outros lugares, na Marina do Lugar de Baixo. Está também em causa o incumprimento de compromissos públicos do Governo da República e do Governo Regional, do PSD e do PS, que diziam que em dois anos a reconstrução seria concretizada na sua totalidade, quando nove anos passados ainda tanto está por fazer.»

É por estas razões que Edgar Silva considerou que «se trata de uma desavergonhada fraude política todo este processo da aplicação dos dinheiros da “Lei de Meios”, em que o PSD e o PS, o Governo da República e o Governo Regional não se revelaram capazes de saber honrar as obrigações do Estado português, não foram capazes de uma justa aplicação dos dinheiro do “20 de fevereiro”, lesando as populações e o interesse público.»