Governo gasta 1,7 milhões para recuperar o Museu Vicentes

MUSEU VICENTESO gabinete de comunicação da Quinta Vigia revelou que “o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, visita na próxima segunda-feira, dia 29 de julho de 2019, as obras de requalificação do Museu Vicente´s, localizado na Rua da Carreira, no Funchal. Os trabalhos de beneficiação do imóvel e de reinstalação do museu estão terminados”.

A obra teve um custo de 1,2 milhões de euros. Note-se que há a acrescentar mais 500 mil euros gastos pela Secretaria do Turismo na aquisição de equipamentos e em diversos outros trabalhos. Ou seja, um investimento global de 1,7 milhões de euros por parte do Governo Regional.

Esta empreitada permitiu requalificar um imóvel com mais de 100 anos e que apresentava, nos últimos anos, evidentes sinais de degradação, que não dignificavam o espólio e o próprio Museu Vicentes.

Refira-se ainda que, a par dos trabalhos de recuperação, conservação e digitalização dos mais de 2 milhões de negativos que passaram do antigo Museu para o Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira (parte dos quais já se encontra disponível para consulta online) – apostou-se na produção dos conteúdos museológicos e museográficos, conteúdos esses que irão, no fundo, contar a história da fotografia e das famílias associadas às grandes casas da fotografia na Madeira, nomeadamente a família Vicentes.

Foram igualmente realizados trabalhos de restauro e recuperação das máquinas antigas, do mobiliário e de demais equipamentos associados à fotografia que pertenciam ao antigo Museu Vicentes e que fazem parte deste novo projeto, de modo a complementar, visualmente, toda a informação que será disponibilizada, num espaço que foi totalmente reestruturado do ponto de vista expositivo para ganhar uma maior dinâmica e uma nova vida associada aos museus de ciência e arte.

A mesma informação dá conta que “a recriação de um estúdio de fotografia, dentro deste novo espaço cultural, que irá permitir, tanto aos residentes quantos aos nossos turistas, o contacto com a realidade que era vivida na época, enquanto mais uma experiência única a disponibilizar pelos nossos Museus. Isto para além dos cenários pertencentes ao antigo Museu que também foram alvo de restauro e que integram o novo espaço”.

O novo Museu da Fotografia “contemplará zonas para exposições temporárias e temáticas, a par de uma forte componente educativa que permita explorar o conhecimento da fotografia, tanto do ponto de vista da sua história, mas abordando, também, as novas tendências, junto de vários públicos”.