O Rali na década de Biasion, Tabaton, Antonella Mandelli, Toivonen e outros

Miki-Biasion
Massimo “Miki” Biasion.
Tabaton Lancia
Fabrizio Tabaton.
AntonellaMandelli-2
Antonella Mandelli fez furor na Madeira, dentro e fora do Rali.

O departamento de comunicação do Rali Vinho Madeira, num momento em que estamos a uma semana do início da competição, aborda hoje, em publicação no site oficial, aqueles que foram os anos 80 da prova, onde “o Rali Vinho Madeira estava a subir de forma galopante no Campeonato da Europa pois em apenas quatro anos a prova organizada pelo Club Sports Madeira chegou ao coeficiente máximo, na altura quatro”.

Lembra a nota que “no primeiro ano da década, Vudafieri vingou-se e levou mesmo o Fiat 131 Abarth ao posto mais alto do pódio mas no ano seguinte o campeão luxemburguês Ali Kridel causou surpresa ao vencer apesar da presença de adversários mais bem cotados. Atrás de si ficou Antonella Mandelli, italiana ao volante dum Fiat 131 Abarth, que tornou-se símbolo de popularidade na ilha e fonte de muito suspiro para os púberes na estrada”.

Tony Fassina regressou em 1982 e venceu com um Opel Ascona 400 da Conrero. Um ano depois um jovem, desta feita italiano, ganhava notoriedade internacional ao ganhar com o novo e rápido Lancia 037. Campeão europeu nesse ano, Massimo Biasion viria a colocar várias vezes o seu nome do palmarés também do Mundial. Outro nome que dispensa apresentações, Henri Toivonen levou o belo Porsche 911 SC da Rothmans ao triunfo em 1984. Salvador Serviá foi o primeiro num pódio monopolizado pelos Lancia 037 em 1985.

A segunda metade foi praticamente monopolizada sempre pela Lancia mas então com o Delta. Fabrizio Tabaton obteve a sua primeira vitória no rali em 1986 com o muito potente Lancia Delta S4 no “cantar do cisne” dos saudosos grupo B, e o ascendente Dario Cerrato, já noutro dos carros mais bem sucedidos entre nós, o Lancia Delta de tração integral, triunfou em 1987. Yves Loubet ganhava no último ano do decénio, exactamente doze meses depois de, após muitas tentativas, Patrick Snijers conseguir vencer com o BMW M3.

A informação constante do site oficial da prova recorda que “os meninos e meninas alinhados e com poupinhas inspiradas em bandas como os Smiths e Talk Talk, ou mesmo os mais extrovertidos ao som de Michael Jackson, tinham agora de colocar-se em bermas mais seguras quando iam ver a Volta. Em 1986 deu-se um violento acidente no Rali de Portugal e a FIA, para além de acabar com o grupo B, decidiu implementar fortes medidas de segurança. Antes disso, já o Rali Vinho Madeira havia dado o exemplo que acabou ditando normas internacionais de procedimentos”