D. Nuno Brás reabilita padre Martins Júnior: acabou a suspensão “a divinis”

Padre Martins. Foto Luís Rocha
Terminou uma longa “novela” religiosa, que muita tinta fez correr. O bispo do Funchal, D. Nuno Brás, revogou a pena de suspensão “a divinis” do padre Martins Júnior, segundo revela uma nota emitida pela Diocese.
A nota recorda que, no dia vinte e sete de Julho de 1977, o bispo D. Francisco Santana “decretou a suspensão a divinis do Reverendo Padre Martins Júnior”. Ora, refere a nota, “tendo em consideração que, passados estes anos as razões primeiras que levaram à aplicação e manutenção dessa pena deixaram de existir, o Bispo do Funchal, depois de ouvido o Rev.do Padre Martins Júnior e os Conselhos Episcopal e dos Consultores, decidiu revogar a referida pena de suspensão”.
Na mesma ocasião, o padre Martins Júnior foi nomeado Administrador Paroquial da Ribeira Seca.
O Bispo do Funchal, D. Nuno Brás, vai visitar a Paróquia no dia 14 de Julho às 17 horas, é ainda anunciado.
Isto coloca um ponto final a um caso longo e extenso e que, em entrevista recentemente concedida ao Funchal Notícias, D. Nuno Brás admitia “ser uma ferida aberta” na Igreja madeirense.
O caso manteve-se durante longos anos e não foi resolvido pelos bispos que se seguiram a D. Francisco Santana, incluindo o antecessor de D. Nuno Brás, D. António Carrilho, recentemente agraciado com uma distinção pelo presidente da República.
O decreto de D. Nuno Brás entrou em vigor hoje.