Gonçalo Nuno Santos vai a caminho do Brasil para contactos com a comunidade, Barreto junta-se ao candidato do CDS na quinta-feira

Gonçalo Nuno dos Santos Brasil
Gonçalo Nuno Santos segue hoje para o Brasil em iniciativa de contactos com a comunidade enquanto candidato do CDS para o círculo fora da Europa nas próximas eleições nacionais de 6 de outubro.

O madeirense Gonçalo Nuno Santos, que foi um histórico social democrata que um tanto surpreendentemente surgiu como candidato do CDS-PP no círculo fora da Europa, nas próximas eleições legislativas nacionais de 6 de outubro, está a caminho do Brasil em ação de pré campanha num país que neste enquadramento eleitoral, tem um peso quase decisivo num processo eleitoral.

Gonçalo Nuno liderou, durante largos anos, o setor ligado às comunidades madeirenses, onde ganhou notoriedade junto de diversas representações lusas em países como o Brasil, Venezuela, África do Sul, Austrália, entre outros, registando ao longo desse período contactos que o colocam, agora, numa posição de relevante importância que pode ser capitalizada pelo partido pelo qual concorre.

O Funchal Notícias sabe que o líder regional do CDS, Rui Barreto, junta-se a Gonçalo Nuno, nesta ação em terreas brasileiras, na próxima quinta-feira, depois de participar, amanhã, 5 de junho, na reunião da Comissão Política Regional presidida por Rui Barreto, a primeira reunião depois da eleições europeias que “colocaram o CDS como a terceira força regional”, como refere a nota de comunicação sobre o encontro.

Os temas anunciados são precisamente avaliar a situação política regional, as eleições regionais, a 22 de setembro, e as legislativas nacionais, a 6 de outubro.

Em termos de listas nacionais, para as eleições de 6 de outubro, já foi divulgado que a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, vai liderar a lista centrista de Lisboa e a sua “vice” Cecília Meireles será “número um” no Porto, No círculo fora da Europa, aparece o madeirense Gonçalo Nuno Santos, ao mesmo tempo que no círculo da Europa, a cabeça-de-lista é Melissa da Silva, filha de emigrantes em França.

Nos Açores e na Madeira, os cabeças-de-lista são escolhidos pelos órgãos regionais.