Bloco de Esquerda Madeira considera resultado nas europeias “motivador para as próximas batalhas”

PAULINO aSCENÇÃO

A Comissão Coordenadora Regional do Bloco de Esquerda Madeira considera que “os resultados das europeias foram considerados positivos, com uma votação acima dos 5.200 votos, uma subida de 63% me relação às europeias de 2014. E um resultado motivador para as próximas batalhas, as regionais de 22 de setembro e as legislativas de 6 de outubro”.

A Comissão Coordenadora considerou “muito boa a prestação do Rui Ferrão, o candidato madeirenses nas listas do Bloco nesta campanha eleitoral e agradeceu o seu empenho e entrega em prol do partido e das causas. Foram as propostas claras na defesa do que é de todos – os serviços públicos essenciais, os rendimentos de quem trabalha, a defesa do ambiente, bem como a recusa em entrar na baixa política a marca distintiva da campanha do Bloco nestas eleições europeias e foi esse o fator que explica a subida registada a nível nacional que permitiu duplicar a representação no Parlamento Europeu e deixou o terceiro mandato muito próximo”.

Essa marca, refere a nota do BE, “deverá estar presente na campanha para as regionais, o Bloco vai defender que a Madeira é para todos (e não só para alguns), vai defender os serviços públicos essenciais, como a saúde e a educação devem ser acessíveis a todos de forma gratuita, que as atividades estratégicas para a economia regional, como a eletricidade, a água, os transportes devem estar sob gestão pública, sujeitos ao escrutínio da população através dos seus representantes eleitos democraticamente e não devem servir para alimentar lucros privados”.

A Madeira precisa de uma rutura com a política do PSD de governar só para alguns, de alimentar monopólios – os “donos da Madeira nova”. A mudança que a Madeira precisa implica, resgatar para a gestão pública as concessões ruinosas para a Região, que servem apenas para alimentar fortunas privadas, por exemplo: as concessões rodoviárias, a do porto, o centro de inspeções, ou as cantinas escolares”.