Governo Regional paga 4 cêntimos por Kg aos produtores de banana a 26 de abril e tira 9 cêntimos a 1 de maio, denuncia a ABAMA

banana 2A ABAMA, Associação de Organizações de Produtores de Banana da Madeira emitiu hoje um comunicado de contéudo contundente para com a secretaria regional da Agricultura e Pescas e para com a Gesba. Com um dado a começar: “No dia 26 de Abril de 2019 depositou uma “ESMOLA” miserável de quatro cêntimos por Kg de banana e logo de seguida no dia 1 de Maio 2019 tira nove cêntimos por Kg, mais ainda, trinta e dois cêntimos por Kg desde 2007”.

Refere o documento enviado às redações que “a não atualização do preço pago ao produtor (desde 2005) quando os montantes recebidos da União Europeia eram de 0,059€/kg; há muito que se justificava um melhor/aumento do rendimento desde 2007 (0,446€/kg)”.

E no ponto 3 surgem críticas à criação da Gesba, responsabilizando o secretário regional que parece “presidente e gestor da empresa” e fazendo alusão à forma como o Governo Regional criou a empresa Gesba, “usurpando toda a ajuda comunitária e património das Cooperativas e respetivos direitos sem que os associados tenham conhecimento, assim como a gestão desta empresa”.

A ABAMA questiona: “Quem fiscaliza a entrada e saídas das quantidades de banana? É a mesma entidade GESBA? Qual é a sua imparcialidade? Sendo a Secretaria da Agricultura que Tutela!!!”

Aquela associação remete para declarações do responsável pela direção da Gesba, Jorge Dias “que “disse na Ponta do Sol em 1 de maio 2019, que o valor médio de venda da banana da Madeira no continente foi de 1,17€/kg, mas não disse que o valor pago ao agricultor é, em valor médio de 0,1435€/kg, e mais diz que os agricultores estão melhores hoje do que anteriormente com as Cooperativas, sabendo que estas pagavam 0,37€/kg. Todos os resultados financeiros que o Governo Regional apregoa, ficam a dever-se ao aumento considerável da ajuda comunitária (em média 0,446 €/por Kg) e à manutenção do preço pago ao agricultor, permitindo margens de lucros bastante significativas, à custa do suor, lágrimas, desespero e angústia dos agricultores”.

O documento considera “importante informar todos aos agricultores que o valor pago ao produtor de banana por categoria é o mesmo há muitos e muitos anos (desde 2005) e que o custo de produção aumenta todos os anos (adubos, água de rega, gasóleo, mão-de-obra, segurança social, etc).”.