Requalificação do Cais da Ponta do Sol e consolidação da escarpa já em curso

Já é visível o trabalho de intervenção na consolidação da escarpa.
Enquanto decorre a intervenção, os restajurantes estão encerrados.

Cais da Ponta do Sol foi construído entre os anos de 1848 e 1850 e integra a área de jurisdição da APRAM.

Já estão em curso as obras correspondentes à consolidação da escarpa na zona de acesso ao cais da Ponta do Sol, cujo promotor é a secretaria regional dos Equipamentos e Infraestruturas,, sendo que a entrada já está vedada e os restaurantes fechados enquanto decorrerem os trabalhos, envolvendo também a intervenção que visa a reabilitação do próprio cais, obra cujo promotor é a APRAM.

A obra de requalificação e reabilitação daquele cais “permitirá rentabilizar e otimizar a exploração dos recursos turísticos e culturais da região. Será disponibilizada mais uma alternativa às embarcações marítimo turísticas que ali poderão acostar, criando assim um novo programa de atividade, além de preservar o património existente, devolvendo a dignidade merecida e valorizando o conjunto cénico da Vila da Ponta do Sol”, refere uma nota no site da APRAM.

A Administração dos Portos da Madeira é a entidade responsável pelo laçamento do concurso público para a empreitada de requalificação e reabilitação do Cais da Ponta do Sol, uma obra comparticipada pelo FEDER, ao abrigo do Programa Operacional da RAM 14-20. A APRAM lembra, no seu site, que “em outubro de 2017 foi aberto concurso para a elaboração do projeto técnico que terá de ser feito por especialistas na área da reabilitação de obras antigas, de forma a evitar a descaraterização da infraestrutura existente, permitindo que venha a ser classificado como património municipal. O projeto técnico terá de desenvolver medidas para conhecer em detalhe todas as patologias que terão de ser intervencionadas, a nível estrutural – para garantir a segurança dos utentes do cais – e a nível arquitetónico – para assegurar a configuração, textura e cor originais. O projeto deverá também apresentar as metodologias de construção e especificar os materiais que deverão ser utilizados.

O Cais da Ponta do Sol foi construído entre os anos de 1848 e 1850 e integra a área de jurisdição da APRAM. É um ponto de referência do concelho, construído junto à casa da guarda e da antiga prisão escavada na rocha, tendo sido projetado pelo engenheiro Tibério August Blanc.

Na mesma informação, a APRAM faz referência que “até finais do séc. XIX foi o porto secundário mais importante da Madeira, com um movimento médio anual de cerca de 8 000 toneladas de produtos da terra e granéis alimentícios, importados do Funchal para a população local. Em 1947, movimentou 25 798 passageiros, numa altura, em que a ausência de estradas em terra, fazia com que se optasse pelas estradas marítimas que ligavam os diferentes locais da região. Mas, além de ter servido para o embarque e desembarque de pessoas e bens, o Cais da Ponta do Sol funcionou também como troço do caminho real de ligação ao Lugar de Baixo, que se abriu posteriormente na rocha.

Trata-se de uma obra de engenharia hidráulica, construída por caixas murárias assentes num derrame lávico de composição máfica do complexo vulcânico superior. A principal caraterística arquitetónica é uma ponte em arco de pedra suspensa de volta quase perfeita que interliga a parte marítima ao promontório costeiro. A planta original do projeto do Cais da Ponta do Sol mantém-se atualizada.