Advogados madeirenses envolveram-se hoje numa disputa que chegou a vias de facto

Ambos os causídicos queixam-se um do outro à Ordem dos Advogados

Dois advogados madeirenses bem conhecidos na nossa praça envolveram-se hoje, por volta das 15 horas, numa disputa que não se ficou pelas palavras, tendo chegado a vias de facto. Trata-se dos causídicos João Alberto Santos Freitas e António Franco Fernandes, que se envolveram numa disputa à entrada dum espaço de fotocópias na Rua do Bispo, no centro do Funchal.

O Funchal Notícias ouviu a versão de cada um dos advogados envolvidos no incidente, sendo que cada um imputa ao outro a responsabilidade pelas alegadas agressões.

Ouvimos primeiro João Alberto Freitas, que se queixa de ter sido alvo duma pancada na cabeça, dada pelas costas, por António Franco Fernandes. Após o alegado inesperado impacto, diz ter seguido Franco Fernandes para dentro do referido espaço das fotocópias, sendo insultado e empurrado por este sem aviso, o que lhe causou uma queda contra a porta de vidro do estabelecimento, no decurso da qual terá mesmo perdido os sentidos.

Por causa do ocorrido, diz ter ido ao hospital, onde realizou um TAC e apresentou queixa na Polícia por agressão, e pretender fazer o mesmo na Ordem dos Advogados. Amanhã tem marcada uma consulta no Gabinete de Medicina Legal, no Hospital, para uma alegada perícia sobre a violência a que diz ter sido sujeito, e que lhe deixou, afirma, marcas na cabeça.

Naturalmente que o FN contactou António Franco Fernandes, para ouvir a versão do outro advogado envolvido neste caso. Este causídico imputa, por seu turno, as culpas do sucedido a João Alberto Santos Freitas. Nega tê-lo agredido; antes pelo contrário, sustenta ter sido agredido por ele, agressão essa que lhe provocou a ele, Franco Fernandes, hematomas, comprovados por relatório médico e sustentados por fotografias. Diz não ter ido ao hospital, mas a um médico particular, e já ter levantado processo-crime, por agressão, contra João Alberto Freitas, no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) do Funchal.

De acordo com António Franco Fernandes, João Alberto Santos Freitas tê-lo-á dado um “fortíssimo empurrão” contra a porta do estabelecimento de fotocópias, causando a sua queda e causando danos na sua integridade física, medicamente documentados.

Mais acusa Franco Fernandes a João Alberto Santos de “recorrer processualmente ao insulto contra mim e minha mulher”, desde há três anos a esta parte. Isto porque, disse ao FN, é advogado do ex-marido da actual esposa de Franco Fernandes e age deliberadamente, porque “deve ter um feitio esquisito”.

Por seu turno, João Alberto Santos diz pensar que a agressão de que afirma ter sido vítima se deve a representar judicialmente o ex-marido da esposa do outro advogado envolvido neste assunto.

Mas, da sua parte, Franco Fernandes deu-nos conta também da apresentação de queixa na Ordem dos Advogados, por entender que João Alberto Santos ultrapassou, na ocorrência de hoje, todas as linhas do admissível em termos de deontologia e comportamento.