Intervenção muda imagem da Marina do Funchal, extensão do passeio sobre a cobertura e ligação em túnel sob o Cais

 

Serão construídas rampas com maior amplitude e haverá extensão do passeio sobre o edifício.
A imagem da Marina será totalmente renovada com um edifício de raiz.
A ligação entre a nova zona e a área envolvente é uma das preocupações do projeto.
Haverá uma ligação, em túnel, sob o Cais, entre as duas marinas.
  • com Rui Marote

 

A requalificação da Marina do Funchal, edifício e exteriores, promete dar modernidade ao espaço, integrando-o em toda a área envolvente e recriando uma nova centralidade para a cidade. A APRAM (Administração de Portos da Madeira) abriu concurso e o mesmo já foi publicado em Diário da República no dia 15 de fevereiro. O valor do preço base de procedimento é de 175000.00 euros. O prazo de execução é de 165 dias.

O objetivo, de acordo com o que está pensado no projeto, é que se “concilie as instalações e espaços da marina com a envolvência”, reforçando “as ligações ao restante tecido urbano, nomeadamente nos acessos, funcionalidades e desempenho. A intervenção a propor deverá estabelecer condições materiais e formais para que esta área se articule com o passeio marítimo/promenade em conjunto com o Cais da Cidade, a marina nascente, a praça do Povo e a avenida do Mar, de modo a que se interligue com o conjunto e o torne mais interessante e apelativo”.

O edifício terá os seus espaços interiores destinados a serviços e comércio, que ficarão situados ao nível do cais da marina e, na sua cobertura, haverá uma extensão do passeio da avenida, com calçada, áreas ajardinadas e mobiliário
urbanos”, como é explicasdo no documento de conceção daquele novo espaço. “Deverá ser prevista uma ligação, em túnel, entre as duas marinas a efetuar sob o cais da cidade. Esta passagem, permitirá fazer o trajeto contínuo e fluído entre os dois espaços e resolverá problemas de circulação, permitindo o acesso de cadeira de rodas entre as duas marinas”.

A imagem depois da reabilitação.
A atual Marina do Funchal.
A Marina do Funchal promete ficar com outra “cara”.

A obra de “Requalificação do Edifício e Espaços Exteriores da Marina Funchal”, aponta para a total demolição do edifício existente e ali será criada uma nova edificação, sendo que “as infraestruturas de abastecimento e saneamento existentes encontram-se absoletas tecnicamente e esgotadas na sua capacidade e por isso deverão ser substituídas e redimensionadas para que possam assegurar o normal funcionamento das atividades do local”.

Segundo o que está projetado “os espaços exteriores situados ao nível do cais manter-se-ão abertos e dedicados à sua função como cais de atracação, com acesso eventual de veículos de serviço e de segurança. Em áreas demarcadas serão estabelecidas zonas para esplanadas, a criar junto ao edifício ou junto à água. Serão criados amplos e convidativos acessos em escadas e rampas, que ligarão o nível do passeio da avenida como cais da marina, possibilitando o uso de cadeira de rodas”.

A planificação da empreitada aponta para a “continuidade ao passeio, eliminando o mais possível as barreiras de acesso à circulação de peões e facilitando a sua movimentação e fl uxo deverá revestir com calçada o troço da
do acesso viário da entrada à Marina, criando prioridade pedonal e reduzindo a velocidade da manobra automóvel. Esta intervenção concilia a operacionalidade da marina com as atividades de comércio e lazer – que são sobretudo de restauração – as atividades náutico-turísticas e os acessos de utentes das embarcações e de veículos autorizados às zonas de amarração, de modo a criar num ambiente convidativo e aprazível que evidencie todas as qualidades da proximidade com o mar. Neste sentido, é oportuno que a requalifi cação destas áreas, seja feita através da criação de um projeto que estabeleça e potencie uma nova organização e ocupação dos espaços, de uma forma versátil e bem ajustada às necessidades e exigências de funcionamento da marina e das atividades que ali decorrem”.

O enquadramento deste projeto de requalificação da Marina, parte da necessidade de dar um renovado “fôlego” a toda aquela zona. Lembra que “a Marina do Funchal foi implantada junto ao Cais da Cidade, um antigo local de desembarque, construído em pedra de basalto e terminado em 1892, situado na entrada da cidade, junto ao palácio de S.lourenço”, apontando que “oo local da frente marítima do Funchal com mais valor e importancia histórica do Funchal. O espaço localizado a poente do Cais até a foz da ribeira de São João, foi ocupado pela marina. É composta por um molhe de proteção que nasce perpendicularmente ao Cais da Cidade, por uma área de atracação e amarração efetuada sobre aterro e por um edifício destinado aos serviços e administração e ainda a lojas comerciais, restaurantes e bares”.

“No que respeita à organização e ocupação dos seus espaços atuais, é notória a desadequação ao uso e actividades existentes, que impede o bom funcionamento e a gestão efi caz das suas áreas constituíntes. À proliferação de anexos e ampliações efetuadas pelos arrendatários utilizando múltiplos materiais, cores e acabamentos, junta-se os equipamentos de ar condicionado, ventilação e exaustão de fumos nas coberturas e são visíveis do passeio da Avenida”, lê-se no texto explicativo, que traça o quadro existente e dá inidicações para os objetivos que se pretendem atingir.

O mesmo texto recorda que “a recente ampliação dos jardins da promenade sobre o aterro da aluvião, com a criação de uma nova praça e a construção da nova marina do lado nascente do Cais da Cidade, trouxe uma maior dinâmica a esta zona da promenade e, como consequencia, a exigência de uma complementaridade ao nivel qualidade urbana à área da atual Marina do Funchal e às suas instalações. Pelo outro lado, foi efetuado o arranjo da frente mar da Avenida Sá Carneiro, com o alargamento do passeio marítimo que tem início na zona do porto e que atualmente termina junto à entrada de viaturas da Marina do Funchal. Após a execução destas duas obras, falta agora completar este troço onde se situa a Marina, para dar continuidade ao percurso e concluir o
arranjo desta frente mar”.