Revogação do Plano de Urbanização de Santa Luzia permite alargar Hotel Orquídea

A Câmara do Funchal aprovou hoje a estratégia integrada de habitação para a cidade.

A Câmara Municipal do Funchal aprovou hoje, com os votos favoráveis da Coligação e abstenção do PSD e CDS, a estratégia local de habitação no Funchal, “uma iniciativa pioneira em termos de concelhos da Região”, como refere o vice presidente da Autarquia, que releva o papel deste plano que engloba o diagnóstico sobre as carências habitacionais do Funchal.

Miguel Gouveia revela que “a Câmara já tem mecanismos no terreno, como o subsídio social ao arrendamento e o programa de recuperação de habitações e, também, a construção de nova habitação social no âmbito do programa Amianto Zero”, mas aponta a necessidade de ir mais longe, referindo, por isso, a importância do documento hoje aprovado em reunião de Câmara e que passa para avaliação em sede de Assembleia Municipal.

O vice camarário dá conta que existem cerca de 3.700 agregados familiares com necessidades de melhorias nas suas habitações, lembrando que “apesar de ouvirmos todos todas as semanas e todos os meses, falar dos bons resultados da economia da Madeira, chegamos depois a estas situações de grandes carências no concelho, não havendo resultados dessa pujança”.

Nesta mesma reunião camarária, foi aprovado, com votos da Coligação e do PSD e a abstenção do CDS, a revogação do Plano de Urbanização de Santa Luzia. O plano previa a edificação de um conjunto de prédios, sendo que 85% desse plano já está cumprido, mas há uma zona para a qual foi solicitada a extensão, por parte do Hotel Orquídea, para um prologamento da unidade hoteleira, pedido aceite pela Autarquia.

Esta revogação, segundo Miguel Gouveia, permitirá ainda a recuperação de uma casa histórica de bordados, situada na esquina da Rua 5 de outubro com a Rua dos Netos, num espaço que se encontra devoluto há muitos anos.