Desemprego na Madeira com taxa superior à média nacional

Dados do Instituto Nacional de Estatística, relativos à taxa de dezemprego no 4º trimestre de 2018, revelam que, no todo nacional, o valor atingiu 6,7, igual ao trimestre anterior. Quanto a Regiões, quatro registaram a taxa superior à média nacional, ente elas a Madeira (8,9%), Açores (8,5%), Algarve (7,8%) e Akentejo (7,7%). As taxas de desemprego no Norte e na Área
Metropolitana de Lisboa igualaram a média nacional (6,7%). A da região Centro (5,7%) foi a única abaixo daquele valor.
No que se prende com o trimestre anterior, o INE revela que “a taxa de desemprego manteve-se inalterada na Região Autónoma da Madeira e aumentou no Algarve (2,8 p.p.), no Alentejo (1,1 p.p.) e no Centro (0,3 p.p.), tendo diminuído na Região Autónoma dos Açores (0,2 p.p.), na Área Metropolitana de Lisboa (0,4 p.p.) e no Norte (0,5 p.p.).
Já no que diz respeito ao trimestre homólogo, a taxa de desemprego diminuiu na região Norte (2,6 p.p.), na Área Metropolitana de Lisboa (1,5 p.p.), no Alentejo (0,7 p.p.) e no Centro (0,2 p.p.), tendo-se mantido inalterada na Madeira e
aumentado no Algarve e na Região Autónoma dos Açores (0,5 p.p. e 0,2 p.p., respetivamente).
Se tivermos em conta todo o ano de 2018, os números voltam a penalizar a Madeira, sendo que as taxas de desemprego mais
elevadas, e superiores à média nacional, “foram observadas em cinco regiões: Região Autónoma da Madeira (8,8%), Região Autónoma dos Açores (8,6%), Área Metropolitana de Lisboa (7,4%), Norte (7,3%) e Alentejo (7,2%). Abaixo da média nacional, situavam-se as taxas de desemprego do Algarve (6,4%) e do Centro
(5,6%).
Em termos globais nacionais, os números hoje divulgados pelo INE apontam que “a população desempregada,está estimada em 349,1 mil pessoas, diminuiu 1,0% (3,6 mil) em relação ao trimestre anterior, retomando os decréscimos trimestrais observados desde o 2.º trimestre de 2016 e interrompidos no trimestre anterior, e 17,3% (72,9 mil) em relação ao trimestre homólogo de 2017. A população empregada é de 4 883,0 mil pessoas, diminuiu 0,4% (19,8 mil) em relação ao trimestre anterior e aumentou 1,6% (78,1 mil) em relação ao homólogo.

A taxa de desemprego de jovens (15 a 24 anos) situou-se em 19,9%, menos 0,1 p.p. e 3,6 p.p., respetivamente, que nos trimestres anterior e homólogo. A proporção de desempregados à procura de emprego há 12 e mais meses (longa duração) foi 47,8%, menos 2,2 p.p. e 6,3 p.p., respetivamente, que nos trimestres anterior e homólogo.