Rubina Leal critica “lavar mãos” da CMF nos semáforos e diz que polícia municipal “só servirá para a caça à multa”

A vereadora social-democrata Rubina Leal considerou hoje que a colocação de semáforos é da “inteira responsabilidade e da competência” do Município do Funchal, mas, “uma vez mais, devido ao impasse e uma atitude de “lavar mãos”, o Governo Regional vê-se forçado a resolver as situações para evitar problemas de maior”. A autarca referia-se à questão da Ponte Nova, que continua sem semáforos, semanas após a sua conclusão, levando a que o Governo tenha decidido adquirir o equipamento “que é da total responsabilidade da Câmara Municipal”, criticou.

Em declarações após a reunião de Câmara, Rubina Leal salientou que os vereadores do PSD quiseram saber, da parte do Executivo, se a Rua Fernão de Ornelas vai encerrar ou não ao trânsito automóvel, numa altura em que se vai iniciar a segunda fase de intervenção.

“(…) sabemos que há um estudo feito junto dos comerciantes, que querem que esta rua não seja encerrada ao trânsito”, afirmou, salientando que há outro estudo realizado pela Câmara, sobre o qual “não foi dado qualquer conhecimento aos vereadores do PSD”.

Já no âmbito da ordem de trabalhos da reunião de hoje, nomeadamente a questão da abertura do procedimento para a polícia municipal, a vereadora do PSD-M reivindicou que fossem dados os argumentos e o resultado do estudo realizado pela autarquia para aferir a viabilidade desta força policial. “Nós não podemos opinar, nem podemos votar favoravelmente se não conhecermos as razões e os fundamentos para, num território tão pequeno como o nosso, ter mais uma polícia, mais um órgão de fiscalização, mais um órgão que só servirá para, de alguma forma, a caça à multa e à coima junto da nossa população”.