Abstenção das vereadoras socialistas sobre Pingo Doce do Porto Santo deixa José António Castro perplexo

Porto Santo (1)O líder do movimento Mais Porto Santo ficou perplexo com o sentido de voto das vereadoras socialistas na última reunião da Câmara da ilha dourada, a abstenção, relativamente à licença de construção de um supermercado da marca Pingo Doce, que será edificado pela empresa Imotorrinha – Investimentos Imobiliários e Participações Financeiras. José António Castro diz que não basta dizer que se concorda, em público, para depois abster-se na hora da votação.

Numa nota enviada à comunicação social, Castro que o PS, na última reunião ordinária pública, representado pelas vereadoras Sofia Dias e Sofia Santos, “não se quis comprometer com esta medida e absteve-se na hora de votar. Nos cafés e nas praças, as pessoas celebram compromissos mas depois não cumprem. Talvez temendo as críticas, aqueles que sob o manto anonimato derramam ódio, reprovam tudo mas nada fazem pelo Porto Santo. Temos de ser coerentes e defender aquilo que consideramos ser importante para a nossa Ilha e para os porto-santenses, sem medo. O novo espaço comercial que será construído, acreditamos, poderá ser uma importante mola impulsionadora da economia do Porto Santo, pois irá criar mais postos de trabalho. Os socialistas reconheceram este mérito mas na hora de assumirem o compromisso acovardaram-se. Porquê?”, questiona o líder do movimento de cidadãos independentes, que defende um compromisso político alargado com a cooperação economia e empresarial.

Para o líder do Mais Porto Santo “não basta estarmos de acordo nos ‘bastidores’. Temos de prová-lo na hora da verdade, nas decisões, sem receios, de forma coerente, imparcial e com um sério compromisso com a nossa população. O combate ao desemprego é uma das batalhas que temos em mãos e rejeitar o investimento externo, a criação de emprego não faz sentido”, sustenta o Vereador do Mais Porto Santo.